Acompanhe:

Fim do lixo? Este grupo dos Emirados Árabes quer ser referência mundial na gestão de resíduos

Grupo Beeah mira futuro com zero resíduo para aterros, agenda Net Zero até 2050 e inspira o Brasil a projetos que aliem tecnologia e sustentabilidade

Modo escuro

Continua após a publicidade
Visita ao Grupo BEEAH: comitiva de executivos da iniciativa privada, convidados pelo Pacto Global da ONU, em agenda paralela à COP28 (Mariana Grilli/Exame)

Visita ao Grupo BEEAH: comitiva de executivos da iniciativa privada, convidados pelo Pacto Global da ONU, em agenda paralela à COP28 (Mariana Grilli/Exame)

Sharjah, Emirados Árabes – Localizada no emirado de Sharjah, uma holding árabe quer mudar a forma como o Oriente Médio lida com a gestão de resíduos. Em concordância com a agenda Net Zero dos Emirados Árabes até 2050, o objetivo da organização é que o lixo como o conhecemos deixe de existir.

A sede do Grupo BEEAH é como um oásis, com fonte de água dessalinizada em meio ao deserto, em que o design do prédio em dunas ondulantes foi idealizado pela arquiteta Zaha Hadid. A EXAME esteve no edifício de nove mil metros quadrados, em meio a uma comitiva de executivos da iniciativa privada, convidados pelo Pacto Global da ONU, em agenda paralela à COP28.

Leia também: COP28: É papel das empresas garantir os direitos humanos para avanços na agenda socioambiental

Ao entrar no edifício, a sensação é de um ambiente futurista, alimentado por painel solar e dentro dos padrões LEED Platinum – programa de certificação de edifícios verdes. É de lá que a companhia desenvolve nove pilares de atuação, de reciclagem de metais à educação, todos cunhados na sustentabilidade e digitalização.

Almas Muhammad, especialista em RH do Grupo BEEAH e guia dos empresários, conta que 90% dos resíduos dos Emirados Árabes foram destinados para reaproveitamento em 2023. “É a maior taxa de desvio já alcançada por qualquer empresa na região do Oriente Médio, e estamos à beira dos 100%”, afirma.

Outro investimento do Grupo BEEAH é de trituração e reciclagem de metais, incluindo veículos. “Esta instalação receberá carros que chegaram ao fim do prazo de validade. Vamos segregar os componentes recicláveis do carro e depois vamos triturar o metal, todos eles em 60 segundos”, diz Muhammad.

Na visão de Carlo Pereira, CEO do Pacto Global da ONU no Brasil, a imersão da iniciativa privada ao redor das instalações em Sharjah é uma inspiração para a transição brasileira a uma economia sustentável e íntegra – o que passa pela reformulação da gestão de resíduos.

De acordo com ele, a reciclagem no Brasil é feita somente sobre cerca de 6% dos resíduos. Transformar este passivo em negócio é uma tarefa a ser desempenhada entre o privado, o público e o terceiro setor.

“Não adiantam incentivos e regulações do governo, que não estejam alinhados com a demanda e anseios da sociedade civil. Ao mesmo tempo, também não adianta isso estar apartado dos interesses da iniciativa privada. Precisamos dos três atores da sociedade trabalhando conjuntamente”, diz.

Leia também: Empresas brasileiras visitam porto marítimo de Dubai: descarbonização é desafio em comum na COP28

Da reciclagem à energia

Após a separação, reciclagem e processamento, uma das finalidades do ‘lixo’ é gerar energia. No país, de acordo com ela, há cerca de 300.000 toneladas de resíduos não recicláveis anualmente, os quais podem ser revertidos em eletricidade para atender 28.000 moradias e residências. Para isso, a intenção é transformar aterros em parques solares, que terão capacidade de produzir 120 megawatts de eletricidade.

O processamento diário de celulose e resíduos à base de carbono também alimenta a instalação dedicada à biomassa, a fim de gerar combustível alternativo para a fabricação industrial.

Para o futuro, o BEEAH quer ir além e produzir hidrogênio verde a partir de resíduos de plástico e madeira, em parceria com as empresas hunook Sciences, do Reino Unidos, e Airwater, do Japão.

Participante de comitiva de brasileiros, Fabrício Fonseca, diretor de desenvolvimento de negócios da Ambipar, ressalta o planejamento dos Emirados Árabes quanto à transformação de resíduos em energia.

“Até 15 anos atrás, eles estavam mandando quase 100% do material para aterro sanitário. Agora, estão trabalhando com a meta de, em 2025, não ter mais descarte e ainda resgatar o que já foi enterrado para processar. Isso é o desenho da solução ambiental”, diz.

Leia também: Sustentabilidade pode 'pegar carona' na presidência brasileira do G20

Como solução para o Brasil, Fonseca defende que a cultura de licitação para tratamento de resíduos urbanos caminhe junto ao avanço da tecnologia.

“A empresa que der uma solução para valorizar o resíduo ou reutilizá-lo é que tem que ganhar licitação, e não quem apenas tem menor valor. Assim, no futuro, conseguimos que os aterros canalizem o gás, gerem biometano e energia”, afirma.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Petrobras avança em combustível de aviação sustentável e mira até 30% do mercado
ESG

Petrobras avança em combustível de aviação sustentável e mira até 30% do mercado

Há 7 horas

Artur Grynbaum: "Cada passo importa para um futuro sustentável"
ESG

Artur Grynbaum: "Cada passo importa para um futuro sustentável"

Há 10 horas

Empresas têm política, mas não têm orçamento para Direitos Humanos, aponta KPMG
ESG

Empresas têm política, mas não têm orçamento para Direitos Humanos, aponta KPMG

Há 12 horas

Criado na pandemia, Mundo Social, do Magalu, cresce e gera renda para grupos minorizados e ONGs
ESG

Criado na pandemia, Mundo Social, do Magalu, cresce e gera renda para grupos minorizados e ONGs

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais