Acompanhe:

ESG na Prática: A importância da gestão e cultura corporativa

A organização que nunca pensou em práticas sustentáveis está tendo que fazer isso com agilidade, o que acaba resultando em ações rasas, além de provocar overwork, a sobrecarrega das equipes sob o pretexto da urgência e do propósito

Modo escuro

Continua após a publicidade
Marina Vaz: não dá para falar em ESG sem falar primeiro em transformação cultural (Freepik/Reprodução)

Marina Vaz: não dá para falar em ESG sem falar primeiro em transformação cultural (Freepik/Reprodução)

Até 2025, os consumidores optarão por produtos ou serviços que sejam menos prejudiciais ao ambiente, à saúde humana e à sociedade, segundo pesquisa realizada pela EY Parthenon, braço de consultoria de estratégia global da Ernst & Young. Isso mostra que pensar, falar e agir em ESG ( sigla em inglês para Ambiental, Social e Governança) não é mais “coisa de quem abraça árvore”. A discussão, agora, ganha contornos mais práticos e diretamente relacionados ao lucro financeiro.

A organização que nunca pensou de verdade em práticas sustentáveis e na diminuição de impactos está tendo que fazer isso com agilidade, o que acaba resultando em práticas pouco efetivas e rasas, além de provocar o que agora chamam de overwork, que nada mais é do que sobrecarregar as equipes sob o pretexto da urgência e do propósito, por exemplo.

Em contrapartida, quando uma organização se concentra em seu capital humano, em promover um ambiente interno saudável, os resultados tendem a ser mais sustentáveis e duradouros, porque isso não apenas proporciona as condições para um trabalho eficaz, mas também impulsiona o engajamento dos prestadores de serviço – que, por consequência, se comprometem a contribuir para o crescimento da empresa.

Ou seja, não dá para falar em ESG sem falar primeiro em transformação cultural. Por que, no fim das contas, essa é a base da implementação efetiva das práticas ESG. Não se trata apenas de patrocinar eventos e palestras para mostrar compromisso superficial com a causa. É uma mudança profunda, que requer ações concretas, e que impacta diretamente a instituição e seus clientes. Envolve a promoção de práticas que beneficiem a sociedade e o meio ambiente, a eliminação de ações prejudiciais e a reformulação do sistema de gestão e da cultura corporativa.

Quando feita com intencionalidade, não apenas transforma empresas, mas também deixa uma marca positiva na sociedade e no meio ambiente. É uma jornada que, embora desafiadora, traz benefícios significativos a longo prazo para as organizações e para o mundo.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Casa dos Ventos entra em energia solar e anuncia mais R$ 4 bilhões até 2026
ESG

Casa dos Ventos entra em energia solar e anuncia mais R$ 4 bilhões até 2026

Há 7 horas

Energia solar chega a 17% da potência instalada no Brasil
ESG

Energia solar chega a 17% da potência instalada no Brasil

Há 8 horas

Conta para conter urgência climática passa dos bilhões para trilhões de dólares
ESG

Conta para conter urgência climática passa dos bilhões para trilhões de dólares

Há 13 horas

Roupas da Reserva com 40% de desconto? Troc foca em moda circular e vende peças de coleções passadas
ESG

Roupas da Reserva com 40% de desconto? Troc foca em moda circular e vende peças de coleções passadas

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais