Acompanhe:

COP28: após convite ao Brasil, Opep pressiona países a não apoiarem acordo contra energia fóssil

Carta da organização diz que restrições aprovadas na conferência colocariam em risco "a prosperidade e o futuro de nossos povos”

Modo escuro

Continua após a publicidade
Pressão: Opep envia carta a países para serem contrários a tudo que desencorajar o uso de combustíveis fósseis (Nick Oxford/Reuters)

Pressão: Opep envia carta a países para serem contrários a tudo que desencorajar o uso de combustíveis fósseis (Nick Oxford/Reuters)

Publicado em 8 de dezembro de 2023 às, 18h03.

Última atualização em 8 de dezembro de 2023 às, 18h18.

O secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) instou os integrantes do cartel a rejeitar qualquer acordo na cúpula do clima da ONU, em Dubai, contrário aos combustíveis fósseis, segundo uma carta à qual a AFP teve acesso nesta sexta-feira, 8.

No texto enviado na quarta-feira, 6, Haitham Al Ghais afirma que "a pressão indevida e desproporcional contra os combustíveis fósseis pode alcançar um ponto de inflexão com consequências irreversíveis" na COP28.

"O projeto de decisão ainda contém opções para eliminar gradualmente os combustíveis fósseis", disse Al Ghais, acrescentando que escreve o texto "com senso de extrema urgência".

"Apesar de os países-membros" e seus associados "levarem a sério a mudança climática [...], seria inaceitável que campanhas com motivações políticas coloquem em perigo a prosperidade e o futuro de nossos povos", continua a carta.

Consultada pela AFP, a Opep não respondeu de imediato.

A carta está dirigida aos 13 integrantes da Opep, entre eles Iraque, Irã, Emirados Árabes Unidos, que preside a conferência climática das Nações Unidas deste ano, e Arábia Saudita, que lidera o movimento de oposição ao abandono dos combustíveis fósseis.

A correspondência também foi enviada a dez países associados, como México, Azerbaijão, Rússia e Malásia, todos presentes em Dubai.

A presidência da COP28 está nas mãos do chefe da companhia petrolífera emiradense, Sultan Al Jaber.

Brasil, o novo agregado à Opep+

A confirmação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que o Brasil vai participar do grupo Opep+, aceitando convite da organização, foi uma espécie de "cavalo de pau" do país durante a COP28, que se coloca como uma das principais lideranças globais pelo avanço das energias limpas.

A Opep+ funciona como um grupo expandido que agrega os 13 membros da Opep mais dez países. Os aliados (entre eles, a Rússia) contribuem com iniciativas da Opep, mas não têm direito a voto na organização.

Lula, em declaração no sábado, 2, preferiu dar sinais de que o país vai manter distância e que não vai "apitar nada" nas decisões do bloco.

O argumento do presidente brasileiro foi de que a participação do país no grupo é importante para convencer países produtores de petróleo a reduzir a exploração de combustíveis fósseis.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Insegurança alimentar atinge 43% dos brasileiros; leis podem contribuir para o cenário, diz Harvard
ESG

Insegurança alimentar atinge 43% dos brasileiros; leis podem contribuir para o cenário, diz Harvard

Há 10 horas

EXAME abre inscrições para o Melhores do ESG 2024
ESG

EXAME abre inscrições para o Melhores do ESG 2024

Há 16 horas

Casa dos Ventos entra em energia solar e anuncia mais R$ 4 bilhões até 2026
ESG

Casa dos Ventos entra em energia solar e anuncia mais R$ 4 bilhões até 2026

Há um dia

Energia solar chega a 17% da potência instalada no Brasil
ESG

Energia solar chega a 17% da potência instalada no Brasil

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais