Acompanhe:

 O calor bateu novos recordes diários mundiais nesta semana, segundo dados preliminares de agências especializadas. 

Os instrumentos que fizeram essas medições podem fornecer um alerta antecipado de surtos de calor extremo, embora não sejam tão precisos quanto os relatórios mensais e anuais das principais agências, dizem os especialistas.

- Quem produz os dados? -

A Universidade de Maine, nos Estados Unidos, criou uma página online chamada Climate Reanalyzer, que mostra as curvas médias da temperatura global para cada dia desde 1979.

Na segunda-feira, 3 de julho, essa curva atingiu o pico de 17,01 ºC. Esse recorde foi superado na terça-feira, com 17,18°C, e novamente na quinta-feira, com 17,23°C.

O observatório europeu de mudanças climáticas Copernicus, que possui uma ferramenta semelhante, confirmou posteriormente os recordes de segunda e terça-feira, embora com valores ligeiramente diferentes: 16,88°C e 17,03°C, respectivamente.

- Como chegam aos números? -

Essas estimativas são produzidas por meio de uma combinação de medições de temperatura reais, desde estações terrestres, satélites e mais, com modelos de informática.

As duas ferramentas são conceitualmente semelhantes, mas diferem em suas fontes e métodos exatos, o que leva a resultados ligeiramente diferentes.

A Universidade de Maine se baseia nos dados de saída de modelos públicos produzidos pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) para fazer previsões.

Mas a NOAA afirma que, embora registre recordes de temperaturas superficiais quentes em muitos lugares do mundo, não poderia "validar a metodologia ou a conclusão da análise da Universidade de Maine".

A NOAA é responsável por seus próprios relatórios de temperatura mensais e anuais.

O fato de ambos os resultados convergirem é reconfortante, disse à AFP Zeke Hausfather, climatologista da organização independente de dados climáticos Berkeley Earth.

A ferramenta europeia é considerada "muito avançada" pela comunidade em geral, acrescentou.

- Quais são as limitações? -

"São estimativas, registros não oficiais", disse à AFP o climatologista Sean Birkel, da Universidade de Maine, que desenvolveu o Climate Reanalyzer.

"A maior ênfase deve ser colocada em uma escala de tempo anual e mensal", explicou, acrescentando que esses relatórios estão sujeitos a maior controle e verificação do que é possível para registros diários, que são baseados em informações quase em tempo real.

Na quinta-feira, a Copernicus publicou separadamente sua análise do mês passado, anunciando que foi o junho mais quente já registrado. Um relatório mensal semelhante da NOAA agora é esperado na próxima semana.

Esses relatórios são baseados "exclusivamente em observações" de terra e do mar e coletam muito mais pontos de dados, explicou Hausfather.

Em geral, os especialistas em clima preferem se concentrar nas tendências e mudanças de longo prazo para eliminar as variações simplesmente relacionadas ao clima.

Além disso, o conceito de temperatura média global é um pouco abstrato e não necessariamente significativo para o público em geral.

"Ninguém vive na média global", argumentou Hausfather.

- Qual é o valor das estimativas de registros diários? -

Apesar dessas limitações, o valor das estimativas de nível diário é que "podemos começar a identificar eventos extremos" que podem ter um grande impacto no clima do planeta, disse Birkel.

Embora a temperatura na escala diária se refira ao tempo, e não ao clima, adicionar dados de 40 anos fornece um importante contexto climático, afirmou o especialista.

"Esses registros parciais fornecem mais evidências de mudanças nos padrões climáticos globais devido às mudanças climáticas e à evolução do episódio El Niño", disse Omar Baddour, chefe de monitoramento climático da Organização Meteorológica Mundial.

"Acho que isso é um sinal de que estamos entrando em uma era muito quente. Junho foi o junho mais quente já registrado por uma margem muito grande", afirmou Hausfather.

"Neste ponto, parece cada vez mais provável que 2023 como um todo seja o ano mais quente desde que os registros começaram, em meados do século XIX", disse ele.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Vieses de gênero são amplificados em imagens online, diz estudo
ESG

Vieses de gênero são amplificados em imagens online, diz estudo

Há uma semana

Foliões passam mal por causa do calor e Pabllo interrompe bloco de carnaval em SP
Brasil

Foliões passam mal por causa do calor e Pabllo interrompe bloco de carnaval em SP

Há 2 semanas

Cientista ganha US$ 1 milhão em processo contra negacionistas do clima
Mundo

Cientista ganha US$ 1 milhão em processo contra negacionistas do clima

Há 2 semanas

Aquecimento global ultrapassa 1,5ºC em um ano pela primeira vez
Mundo

Aquecimento global ultrapassa 1,5ºC em um ano pela primeira vez

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais