ESG

Como o Google usará satélites e inteligência artificial para rastrear vazamentos de metano

O satélite MethaneSAT, do Google, será levado ao espaço a bordo de um foguete operado pela companhia do empresário Elon Musk, a SpaceX

Google: Satélite, que usa softwares da companhia de tecnologia, será lançado em março deste ano (MethaneSAT LLC/Reprodução)

Google: Satélite, que usa softwares da companhia de tecnologia, será lançado em março deste ano (MethaneSAT LLC/Reprodução)

Fernanda Bastos
Fernanda Bastos

Repórter de ESG

Publicado em 15 de fevereiro de 2024 às 10h55.

Última atualização em 15 de fevereiro de 2024 às 10h58.

A empresa de softwares e tecnologia Google anunciou que fornecerá a estrutura de computação e inteligência artificial (IA) para processar dados de emissões de metano com o satélite MethaneSAT. O aparelho será levado ao espaço a bordo de um foguete operado pela companhia do empresário Elon Musk, a SpaceX.  

“Anunciamos uma parceria com o Environmental Defense Fund (EDF) que combina a nossa ciência e tecnologia para reduzir as emissões de metano. Esta é uma das ações mais poderosas e de curto prazo que podemos tomar para reduzir o aquecimento global”, afirma Yael Maguire, vice-presidente e gerente geral, desenvolvedor geográfico e de sustentabilidade do Google. 

O satélite tem como objetivo rastrear as emissões de metano e auxiliar na construção de um mapa global de infraestrutura sobre petróleo, gás e possíveis vazamentos. De acordo com pesquisadores, o metano é responsável por quase um terço do aumento das temperaturas da terra desde o começo da era industrial.

Para eles, a redução das emissões de metano é uma das melhores ações a curto prazo para lidar com o aquecimento terrestre. O instrumento será capaz  de orbitar a Terra 15 vezes ao dia em uma altitude de mais de cerca de 560 km. 

“Ao combinar algoritmos de detecção de metano com computação em nuvem e aplicar IA a imagens de satélite para identificar infraestruturas de petróleo e gás em todo o mundo, o nosso objetivo é ajudar a EDF a quantificar e rastrear as emissões de metano até a fonte. Com esta informação, as empresas de energia, os investigadores e o setor público podem tomar medidas para reduzir as emissões da infraestrutura de petróleo e gás de forma mais rápida e eficaz”, diz Maguire. 

Investimento na detecção de metano 

O MethaneSAT custou cerca de R$ 437 milhões (um total de US$ 88 milhões) e foi projetado para conseguir mensurar as emissões de metano que outros satélites não conseguem identificar. Além disso, a tecnologia pode calcular quantas são as emissões, de onde elas são e como mudam. Dessa forma, o satélite é uma ferramenta para regulamentação da implementação de taxações financeiras para lidar com vazamentos. 

O satélite, anunciado há seis anos pelo Environmental Defense Fund (EDF) teve atrasos por conta da pandemia mas mesmo assim, a equipe do fundo afirmou que a parceria com o Google permite que o satélite use o Google Cloud, além de inteligência artificial (IA), mapeamento e imagens de satélite, para fornecer o primeiro mapa capaz de expor como equipamentos contribuem para vazamentos de metano. Além disso, o projeto conta com a colaboração de cientistas da Escola de Engenharia e Ciências Aplicadas da Universidade de Harvard, além do Centro de Astrofísica da instituição e cientistas do Observatório Astrofísico Smithsonian.

“Além de detectar emissões, demos um passo à frente para criar um mapa global da infraestrutura de petróleo e gás, com o objetivo de compreender quais os componentes que mais contribuem para as emissões. Assim como usamos a IA para detectar calçadas, placas de ruas e nomes de estradas em imagens de satélite exibidas no Google Maps, também usaremos a IA para identificar infraestruturas de petróleo e gás, como contêineres de armazenamento de petróleo. Em seguida, iremos combinar as imagens com as informações da EDF sobre a infraestrutura de petróleo e gás para localizar a origem das emissões”, afirma Maguire.

Como a ferramenta pode ajudar empresas

Maguire explica que, para ajudar organizações, os conhecimentos obtidos a partir da ferramenta estarão disponíveis no site do MethaneSAT – disponibilizadas pelo Google Earth Engine, a plataforma de monitoramento ambiental da companhia. 

Será possível fazer correlações com outros dados. “Os usuários do Earth Engine podem combinar dados sobre o metano com outros conjuntos de dados, como cobertura do solo, florestas, água, ecossistemas, fronteiras regionais e muito mais, para monitorar as emissões de metano em uma determinada área ao longo do tempo”, diz Maguire.

Acompanhe tudo sobre:SustentabilidadeGoogleGoogle EarthSatélitesInteligência artificial

Mais de ESG

Onda de calor coloca Sudeste Asiático de joelhos, à espera de um milagre

Fórum de Povos Afrodescendentes: Pacto Global da ONU mobiliza empresas na luta pela equidade racial

Energia renovável: Cade aprova investimento do Itaú Unibanco em projetos da Casa dos Ventos

"Em um mundo de abundância, as crianças morrem de fome", alerta ONU

Mais na Exame