ESG

Citi supera metas de diversidade com mais mulheres e negros

Globalmente, a participação de mulheres nessas funções chegou a 40,6%, frente os 37% em 2018

Citi (citi/Divulgação)

Citi (citi/Divulgação)

B

Bloomberg

Publicado em 17 de fevereiro de 2022 às 13h25.

Última atualização em 17 de fevereiro de 2022 às 13h42.

O Citigroup superou as metas estabelecidas para aumentar a participação de mulheres e executivos negros, numa mostra de progresso no esforço para melhorar a diversidade.

Os funcionários negros nos Estados Unidos, agora, representam 8,1% dos líderes em cargos de vice-presidente assistente a diretor administrativo, acima da meta de 8% e também um aumento sobre o 6% registrado em 2018, quando o grupo estabeleceu o plano pela primeira vez, de acordo com Sara Wechter, chefe de recursos humanos. Globalmente, a participação de mulheres nessas funções chegou a 40,6%, frente os 37% em 2018.

“Claramente, alcançamos esse conjunto e estamos muito orgulhosos disso, já que deu muito trabalho e foi um objetivo de todo o grupo”, disse Wechter em entrevista. “Não para por aqui. Temos mais trabalho a fazer e sabemos disso.”

O Citigroup agora traçará metas para aumentar a diversidade, que espera publicar ainda neste ano, disse Wechter. O grupo aprimorou os dados demográficos dos funcionários, que podem ser usados para definir metas específicas para determinadas regiões ou países.

Nos EUA, por exemplo, os funcionários do Citigroup agora podem compartilhar ao se identificarem com várias raças, enquanto antes os sistemas só permitiam que eles selecionassem uma. Ao levar em conta a mudança, os funcionários negros agora representam 9,1% dos líderes em cargos de vice-presidente assistente a diretores administrativos, disse Wechter.

O Citigroup tornou-se um dos defensores mais proeminentes em Wall Street da diversidade. Foi o primeiro grande banco a concordar em fazer uma auditoria racial para ver como isso pode ter contribuído para discriminação. Também é um dos poucos a oferecer uma avaliação franca da diferença de salários que paga a homens e mulheres.

“Quando começamos essa jornada em 2018, fomos sinceros sobre nossas lacunas de representação de talentos entre colegas negros e mulheres”, disse Wechter em um memorando à equipe na quarta-feira. “E nós tomamos uma atitude.”

Acompanhe tudo sobre:BancosCitibankDiversidade

Mais de ESG

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Diversidade: Maioria das empresas avançaram pouco no tema nos últimos 2 anos

Investimento de R$ 1,2 bi: Raízen inaugura sua segunda usina de etanol de segunda geração, em SP

Richard Branson no Brasil: o combustível de aviação sustentável funciona, agora é só produzir

Mais na Exame