Acompanhe:

Brasil dá visibilidade a informação científica sobre clima com relatório do IPCC em português

Tradução de versão sintetizada dos documentos para o 5º idioma mais falado no mundo foi feita pelo MCTI e o Pacto Global da ONU no Brasil

Modo escuro

Continua após a publicidade
Acesso: É preciso derrubar barreira, como a do idioma, quando quando se fala de mudanças climáticas, diz Pereira, do Pacto Global Brasil (Leandro Fonseca/Exame)

Acesso: É preciso derrubar barreira, como a do idioma, quando quando se fala de mudanças climáticas, diz Pereira, do Pacto Global Brasil (Leandro Fonseca/Exame)

O mais recente relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC), traduzido para o português, foi apresentado pelo Brasil na COP28, em Dubai. A iniciativa foi conduzida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e o Pacto Global da ONU no Brasil.

A versão do relatório, apresentada durante o evento oficial do Núcleo Lusófono, busca facilitar o acesso e ampliar a difusão das informações científicas mais recentes sobre mudança do clima para toda a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

A Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) é formada por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné-Equatorial, Moçambique, Portugal, Timor-Leste e São Tomé e Príncipe. O grupo de países abrange mais de 250 milhões de pessoas.

O conteúdo é importante no subsídio a políticas públicas ao considerar os resultados dos diferentes relatórios deste sexto ciclo do IPCC. Por exemplo, quanto a necessidade de integrar as agendas de redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE) e de adaptação à mudança do clima mirando o desenvolvimento resiliente ao clima.

O Sexto Ciclo do IPCC, elaborado desde 2015, teve a contribuição de uma série de cientistas brasileiros nos grupos de trabalho e no processo de elaboração dos relatórios.

“O relatório traduzido é um grande esforço e acerto de todas as partes envolvidas. Quando se trata de mudanças climáticas, é preciso ser muito objetivo e derrubar qualquer barreira, dentre elas, a da língua. Tornar as informações científicas acessíveis a mais pessoas, empresas e países traz todos para a ação e permite que tudo seja mais assertivo”, diz Carlo Pereira, CEO do Pacto Global da ONU no Brasil.

Sem barreiras

O acesso ao material técnico-científico no idioma nativo representa para alguns países o fim das barreiras para engajamento e a participação de especialistas e gestores públicos e privados em torno da agenda climática, como a adoção de ações nas áreas de mitigação, adaptação e tecnologia.

O relatório detalha, com alta confiança, que reduções profundas, rápidas e sustentadas nas emissões de GEE levariam a uma desaceleração no aquecimento global em cerca de duas décadas, além de mudanças na composição atmosférica dentro de alguns anos.

O documento - uma base de avaliação da literatura científica, técnica e socioeconômica disponível - disponibiliza aos governos informações científicas que podem ser usadas no desenvolvimento de políticas climáticas nacionais e regionais, além de serem subsídios para as negociações internacionais sobre mudanças no clima.

Posição pioneira

Como explica Luciana Santos, ministra de Estado da Ciência Tecnologia e Inovação do Brasil, o Brasil sempre foi pioneiro na agenda climática e tem na cooperação um dos pilares da ação internacional. “Ao tornar a informação científica mais acessível, temos a convicção de que estamos contribuindo em mais um aspecto para o enfrentamento das mudanças climáticas”, diz.

Segundo a CPLP, a língua portuguesa é o quinto idioma mais falado no mundo. O idioma não está entre as linguagens oficiais da Organização das Nações Unidas. Por isso, por iniciativa do governo brasileiro, a partir do Sexto Ciclo de Avaliação (AR6) do IPCC os relatórios especiais passaram a ser traduzidos e disponibilizados em formato digital nos sites do MCTI e do IPCC. A ação demonstra o engajamento do Brasil na pauta climática e a cooperação com os demais países lusófonos.

A publicação digital está disponível no endereço eletrônico do Sistema Nacional de Registro de Emissões (SIRENE) do Brasil. O Relatório Síntese do Sexto Ciclo de Avaliação (AR6) do IPCC, lançado em março de 2023, nas versões do relatório completo (Longer Report) e Sumário para Formuladores de Políticas (Summary for Policymakers - SPM), conta com as principais informações mais recentes sobre as mudanças globais do clima.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Aceleração econômica só é possível ao considerar mudanças climáticas, apontam especialista em Fórum
ESG

Aceleração econômica só é possível ao considerar mudanças climáticas, apontam especialista em Fórum

Há 3 horas

Vai chover hoje? Rio, SP e outras capitais podem temporais nesta terça-feira; veja previsão
Brasil

Vai chover hoje? Rio, SP e outras capitais podem temporais nesta terça-feira; veja previsão

Há 13 horas

BNDES e GFANZ assinam acordo para financiar projetos de transição ambiental no Brasil
ESG

BNDES e GFANZ assinam acordo para financiar projetos de transição ambiental no Brasil

Há um dia

Vai chover hoje? Semana começa com previsão de chuvas intensas em SP e no Rio; veja previsão
Brasil

Vai chover hoje? Semana começa com previsão de chuvas intensas em SP e no Rio; veja previsão

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais