Acompanhe:

Vendas no varejo do Brasil saltam 1,2% em junho, diz IBGE

Setor fechou o segundo trimestre de 2017 com alta de 2,5 por cento sobre igual período de 2016, melhor trimestre em 3 anos

Modo escuro

Continua após a publicidade
Varejo: expectativa em pesquisa da Reuters era de alta de 0,40 por cento na comparação mensal e de avanço de 1,90 por cento sobre um ano antes (Adriano Machado/Bloomberg)

Varejo: expectativa em pesquisa da Reuters era de alta de 0,40 por cento na comparação mensal e de avanço de 1,90 por cento sobre um ano antes (Adriano Machado/Bloomberg)

R
Reuters

Publicado em 15 de agosto de 2017 às, 09h20.

Última atualização em 15 de agosto de 2017 às, 09h55.

São Paulo - O varejo brasileiro mostrou forte alta em junho, acima do esperado e influenciada sobretudo pelo avanço das vendas de bens duráveis, marcando o terceiro mês seguido de alta em meio a queda dos juros e inflação baixa.

As vendas no varejo subiram 1,2 por cento em junho sobre o mês anterior e 3 por cento na comparação com o mesmo período de 2016, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira.

Com isso, o setor fechou o segundo trimestre de 2017 com alta de 2,5 por cento sobre igual período de 2016, melhor trimestre em 3 anos.

O resultado veio muito acima das estimativas dos analistas consultados pela Reuters, de alta de 0,40 por cento na comparação com maio e 1,90 por cento na anual.

"Foi o crescimento mais consistente desde 2014, porque não se via desde então 3 meses seguidos de alta na margem", afirmou a coordenadora da pesquisa, Isabella Nunes. "A queda nos juros está beneficiando a venda de bens duráveis", acrescentou ela.

Desde outubro passado o Banco Central vem reduzindo a taxa básica de juros, atualmente em 9,25 por cento, e já sinalizou que vai continuar com o movimento de queda. Juros mais baixos barateiam o crédito, ajudando a estimular o consumo num momento em que a inflação está baixa.

Segundo o IBGE, seis dos oito principais segmentos cresceram em junho, na comparação mensal, com destaque para Móveis e eletrodomésticos (+2,2 por cento); Tecidos, vestuário e calçados (+5,4 por cento); e Outros artigos de uso pessoal e doméstico (+2,7 por cento).

O varejo ampliado, que inclui veículos e material de construção, teve forte alta nas vendas de 2,5 por cento em junho sobre maio, segundo o IBGE.

"Houve melhoras no varejo, isso é evidente, mas ainda assim está 8,2 por cento abaixo do pico histórico de novembro de 2014", ressaltou a coordenadora do IBGE. "Há muito que recuperar ainda e isso está associado a queda de juros, inflação e outros fatores econômicos", acrescentou.

Últimas Notícias

Ver mais
Governo registra superávit de R$ 79,3 bilhões em janeiro
Economia

Governo registra superávit de R$ 79,3 bilhões em janeiro

Há 16 horas

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator
Brasil

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator

Há 20 horas

Ainda há trabalho a fazer para baixar inflação, diz Campos Neto em reunião do G20
Economia

Ainda há trabalho a fazer para baixar inflação, diz Campos Neto em reunião do G20

Há 21 horas

Varejos que oferecem possibilidade de doar para causas sociais são mais bem vistos por consumidores
ESG

Varejos que oferecem possibilidade de doar para causas sociais são mais bem vistos por consumidores

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais