Economia

Venda de computadores no Brasil cai 35% no 3º tri, diz IDC

Na comparação com o segundo trimestre, houve queda de 11 por cento no volume de computadores comercializados

Do total de computadores vendidos no terceiro trimestre, 366 mil foram para o mercado corporativo e 681 mil para o consumidor final (Getty Images)

Do total de computadores vendidos no terceiro trimestre, 366 mil foram para o mercado corporativo e 681 mil para o consumidor final (Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 1 de dezembro de 2016 às 12h43.

São Paulo - As vendas de computadores pessoais no Brasil no terceiro trimestre caíram 35 por cento sobre o mesmo período de 2015, a 1,047 milhão de unidades, segundo levantamento divulgado nesta quinta-feira pela empresa de pesquisa de mercado IDC.

Na comparação com o segundo trimestre, houve queda de 11 por cento no volume comercializado. Os recuos ocorreram mesmo com o preço das máquinas tendo ficado 105 reais mais baratos na comparação anual.

"Prevíamos um terceiro trimestre mais aquecido, com o varejo abastecendo os estoques para as datas especiais como Black Friday e Natal, mas esse movimento não aconteceu", afirmou o analista de pesquisa da IDC Brasil, Pedro Hagge, em comunicado à imprensa.

Do total de computadores vendidos no terceiro trimestre, 366 mil foram para o mercado corporativo e 681 mil para o consumidor final, com quedas de 26 e 38 por cento, respectivamente, em relação ao terceiro ao mesmo período de 2015.

"As empresas privadas estão adiando investimentos e a compra de computadores e o setor público está travado, devido às eleições, troca de governos, gestões endividadas e outros problemas políticos e econômicos. Não há expectativas de melhoras para os próximos meses", disse Hagge.

Acompanhe tudo sobre:Computadoreseconomia-brasileiraVendas

Mais de Economia

Câmara aprova taxa de 20% para compras de até US$ 50 em sites como Shein e AliExpress

EXCLUSIVO: Sky planeja criar banco para atender seus assinantes de TV e internet

Relator do Mover publica parecer com taxa de 25% sobre compras na Shein e AliExpress de até US$ 50

Quer investir nos EUA? Saiba como escolher ações internacionais

Mais na Exame