Economia

Soja, petróleo e ferro: coronavírus derruba valor de commodities do Brasil

Em 2019, os três produtos responderam por 78% das vendas externas brasileiras, que totalizaram US$ 177,3 bilhões

Soja: principal impacto de uma crise mais longa provocada pelo coronavírus para o Brasil deve ser exatamente na balança comercial (Stringer/Reuters)

Soja: principal impacto de uma crise mais longa provocada pelo coronavírus para o Brasil deve ser exatamente na balança comercial (Stringer/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 10 de fevereiro de 2020 às 07h22.

Última atualização em 10 de fevereiro de 2020 às 07h23.

São Paulo — A cotação dos principais produtos exportados pelo Brasil despencou após o aparecimento do surto de coronavírus na China, o principal comprador das commodities nacionais. Desde a segunda quinzena de janeiro (quando o coronavírus começou a ter efeito nos mercados globais), o preço da soja em grão caiu 5,13%, o do petróleo recuou 15,5% e o minério de ferro teve retração de 14,3%. Em 2019, esses três produtos responderam por 78% das vendas externas brasileiras - que totalizaram US$ 177,3 bilhões.

Para analistas, mais do que qualquer escassez de insumos da indústria, o principal impacto de uma crise mais longa provocada pelo coronavírus para o Brasil deve ser exatamente na balança comercial. "Se a epidemia (na China) continuar, pode afetar ainda mais profundamente os preços de alguns produtos de exportação relevantes, como minério de ferro, petróleo e soja", diz Welber Barral, sócio da BMJ Consultores Associados e ex-secretário de Comércio Exterior. "A questão é o tempo que vai durar a epidemia."

Especialistas afirmam que ainda é muito cedo para dizer de quanto será esse impacto.

Consultores da área de mineração, por exemplo, ainda não veem a necessidade de mudança de estratégia por parte das empresas. Até porque, afirmam, não haveria muito o que fazer, uma vez que a China compra hoje 64% de todo o minério de ferro produzido no Brasil, segundo a BMJ.

"Com as premissas de que o governo chinês manterá os estímulos à economia, que a questão do coronavírus se dissipe ainda no primeiro semestre e as usinas voltem, no segundo semestre, em ritmo mais forte, a demanda por minério de ferro será impulsionada e, assim, puxará os preços", afirma Yuri Pereira, analista da XP.

Novos mercados

De todo modo, a Petrobrás começou a se movimentar tão logo as engrenagens chinesas passaram a reduzir o ritmo. A China consome quase 65% do petróleo produzido pelo Brasil e também é o maior destino das exportações da estatal, que disse estar pronta para buscar novos mercados, caso haja queda na demanda chinesa. Para a estatal, o petróleo do pré-sal é muito bem aceito na Europa por seu baixo teor de enxofre. "A Petrobrás entende que os preços internacionais e fluxos se ajustarão naturalmente e a companhia está pronta para se adequar a um eventual novo cenário", afirmou a estatal.

É claro que conquistar clientes não será simples. "O Brasil tem duas possibilidades: tentar exportar petróleo para quem já compra ou ir para novos mercados", diz Shin Lai, analista da empresa de análises de investimentos Upside Investor.

Acompanhe tudo sobre:Coronavíruseconomia-brasileiraMinério de ferroPetróleoSoja

Mais de Economia

Número de trabalhadores sindicalizados cai pela metade em 11 anos, diz IBGE

Governo avalia propostas para compensar desoneração da folha neste ano

Lula reclama de decisão do Banco Central sobre taxa de juros: ‘Uma pena que manteve’

Plano Real, 30 anos: Carolina Barros, do BC, e a jornada do Real ao Pix

Mais na Exame