Economia

Rotatividade de terceirizados em SP é maior entre jovens

Segundo estudo do Ipea, a rotatividade é maior entre as pessoas que têm de 18 a 29 anos com ensino médio completo

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 5 de março de 2012 às 11h12.

São Paulo - A rotatividade entre os trabalhadores terceirizados do estado de São Paulo é maior entre as pessoas com ensino médio completo, de 18 a 29 anos de idade e/ou com contrato temporário de trabalho. A conclusão faz parte do estudo A Dinâmica das Contratações no Trabalho Terceirizado, desenvolvido pelo presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Marcio Pochmann, e divulgado hoje (5) no Sindicato dos Empregados em Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros, Colocação e Administração de Mão de Obra, Trabalho Temporário, Leitura de Medidores e Entrega de Avisos do Estado de São Paulo (Sindeepres).

Segundo o estudo, a terceirização vem fortalecendo o giro dos trabalhadores pelas empresas. Em 2010, por exemplo, a taxa de rotatividade dos empregados terceirizados foi 76,2% maior que a dos ocupados não terceirizados. De 2004 a 2010, a taxa de rotatividade dos trabalhadores não terceirizados passou de 32,9% para 36,1%, enquanto as dos empregados terceirizados passou de 60,4% para 63,6% no estado de São Paulo.

A rotatividade dos trabalhadores terceirizados é maior entre as pessoas que têm de 18 a 29 anos, com taxa de alternância chegando a 72% em 2010. A menor taxa de rotatividade anual foi verificada entre os trabalhadores com mais de 65 anos (34,5%). Entre os trabalhadores com ensino médio completo, a taxa atingiu 69,3% e, entre os analfabetos, 58,8%. Para as pessoas que têm ensino superior completo, o índice foi de 55,8%.

As maiores taxas de rotatividade encontram-se também entre os terceirizados com contrato temporário de trabalho, atingindo 87,1% desses trabalhadores em 2010. Para os empregados com contrato avulso, a taxa anual de rotatividade foi de 70,2% em 2010. Entre os empregados em regime de CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), o índice foi de 55,6% e, entre os diretores em empresa de terceirização, de 18,3%.

Em 2010, somente 31,3% dos trabalhadores terceirizados demitidos no estado de São Paulo conseguiram ser readmitidos no mesmo ano de maneira formal. Os demitidos com ensino superior completo foram os que registraram maior taxa de readmissão.

O estudo também apontou que um em cada cinco trabalhadores terceirizados no estado migra para um trabalho formal em outro município após constantes rupturas dos contratos de trabalho. O mais significativo fluxo migratório provocado pela instabilidade no trabalho terceirizado ocorre entre as cidades de São Paulo e Barueri, que responde por quase 8% das decisões de migração paulista.

De acordo com o estudo, 5,3% dos empregados formalmente terceirizados perdem seu posto de trabalho no estado de São Paulo a cada mês. No Brasil, a taxa de demissão mensal dos empregados terceirizados chega a 4,1%.

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirasgestao-de-negociosMetrópoles globaisRotatividadesao-pauloTerceirização

Mais de Economia

Inflação ao consumidor na China continua em alta

Petrobras prevê perfurar novos poços do pré-sal em 2025 para garantir futuro da bacia de Campos

Senado estuda usar atualização do IR e repatriação para compensar desoneração

‘Temos absoluta confiança que o dólar vai cair’, diz Geraldo Alckmin

Mais na Exame