Resgate na crise acabou dando lucro para o governo americano

Governo dos Estados Unidos vendeu suas últimas ações e encerrou programa de compra de ativos problemáticos com lucro de US$ 16 bilhões

São Paulo – O Tesouro dos Estados Unidos anunciou hoje que vendeu o equivalente a US$ 54,9 milhões em ações da Ally Financial Inc, ex-GMAC, braço financeiro da General Motors.

Os papeis saíram por US$ 23,25 cada; no total, o governo obteve US$ 19,6 bilhões, US$ 2,4 bilhões a mais do que os US$ 17,2 bilhões que injetou na instituição em 2008.

Com isso, chega ao fim o polêmico TARP (Programa de Alívio de Ativos Problemáticos, na sigla em inglês), assinado por George W. Bush em 3 de outubro daquele ano como forma de impedir o colapso do sistema financeiro global.

No total, o programa de compra de ações de bancos, seguradoras e empresas automobilísticas em situação de fragilidade custou US$ 426,4 bilhões e recuperou US$ 441,7 bilhões.

Ou seja: denunciado por seus críticos como uma transferência dos contribuintes para corporações, o programa acabou dando lucro de US$ 16 bilhões para o governo – além do óbvio ganho de ter impedido uma depressão econômica ainda maior.

É um símbolo das contradições americanas. Para começo de conversa, a própria noção de lucro é um pouco estranha para o governo dos Estados Unidos: seu custo de empréstimo é tão baixo que ele pode com grande facilidade aplicar em outras áreas para obter altos ganhos.

O lucro do TARP é reflexo de um mercado de ações que se recuperou rapidamente e atingiu seus níveis pré-crise já em 2011. O mesmo não aconteceu com o emprego e o crescimento, que só agora estão acelerando, mas ainda sem impacto sobre os salários das famílias.

O debate mais difícil é outro: como criar e implementar uma regulação financeira que permite a inovação financeira ao mesmo tempo em que incentiva uma atuação responsável das instituições e impede que elas se tornem “grande demais para quebrar”.

Em outras palavras, evitar que resgates sejam necessários no futuro – sejam eles lucrativos ou não. 

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.