Economia

Relação dívida/PIB nos países da zona do euro cai de 90,8% em 2022 para 88,6% em 2023

Em balanço divulgado nesta segunda-feira, 22, agência de estatístiscas oficial do bloco também diz que, em toda a UE, essa relação recuou de 3,4% a 3,5%

Zona do euro: agência oficial de estatísticas da União Europeia, Eurostat, divulga dados sobre relação dívida/PIB (Yves Herman/Reuters)

Zona do euro: agência oficial de estatísticas da União Europeia, Eurostat, divulga dados sobre relação dívida/PIB (Yves Herman/Reuters)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 22 de abril de 2024 às 10h59.

A relação entre o déficit público e o Produto Interno Bruto (PIB) recuou de 3,7% em 2022 a 3,6% em 2023 na zona do euro, segundo a agência oficial de estatísticas do bloco, Eurostat. Em balanço divulgado nesta segunda-feira, 22, ela também diz que, em toda a UE, essa relação recuou de 3,4% a 3,5%. Já a relação entre dívida e PIB caiu de 90,8% no fim de 2022 a 88,6% no fim de 2023 na zona do euro, e de 83,4% a 81,7% na UE, na mesma comparação.

O Eurostat divulga nesta segunda-feira ainda alguns números de déficits dos governos e de suas dívidas para os anos de 2020 a 2023, a partir da primeira notificação dos membros para 2024. Entre os membros, em 2023, exceto Chipre, Dinamarca, Irlanda e Portugal, todos tinham déficits orçamentários.

Os maiores eram os de Itália (de 7,4% do PIB do país), Hungria (6,7%) e Romênia (6,6%). Onze membros tinha déficits superiores a 3% do PIB.

No fim de 2023, as menores relações entre dívida e PIB estavam em Estônia (19,6%), Bulgária (23,1%), Luxemburgo (25,7%), Dinamarca (29,3%), Suécia (31,2%) e Lituânia (38,3%). Treze membros tinham essa relação entre dívida e PIB em nível superior a 60% do PIB, entre os mais altos deles Grécia (161,9%), Itália (137,3%), França (110,6%), Espanha (107,7%) e Bélgica (105,2%).

Acompanhe tudo sobre:PIBZona do Euro

Mais de Economia

País pode ter inflação maior que o esperado por causa da tragédia climática no RS, diz Campos Neto

Dívidas sobem 17%, e governo terá de pagar R$ 70,7 bilhões em precatórios em 2025

Caixa destinará R$ 30 mi para recuperação de casas atingidas por enchentes no RS

Por que é importante diversificar a carteira de investimentos?

Mais na Exame