Economia

Produção de cerveja pode crescer 5% em 2014, diz CervBrasil

A entidade, que inicialmente esperava um aumento entre 3,5% e 4,5% neste ano, revisou nesta segunda-feira, 08, sua projeção


	Cerveja: se confirmada a perspectiva, resultado deve reverter queda de 2,6% vista na produção em 2013
 (Getty Images)

Cerveja: se confirmada a perspectiva, resultado deve reverter queda de 2,6% vista na produção em 2013 (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de dezembro de 2014 às 14h50.

São Paulo - A produção brasileira de cerveja pode registrar crescimento de aproximadamente 5% em 2014, acredita a Associação Brasileira da Indústria da Cerveja (CervBrasil).

A entidade, que inicialmente esperava um aumento entre 3,5% e 4,5% neste ano, revisou nesta segunda-feira, 08, sua projeção após o desempenho da produção da bebida no mês de novembro.

Com base em dados do Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe), da Receita Federal, a CervBrasil indicou um aumento de 2,1% na fabricação da bebida no mês passado ante novembro de 2013. Na comparação com outubro, o volume de cerveja produzido no Brasil teve alta de 4,9%.

"O resultado indica que poderemos superar a expectativa de encerrarmos 2014 na faixa de 3,5% a 4,5%. Caso se repita o desempenho de dezembro de 2013, o crescimento da produção, no ano, será em torno de 5%", afirmou o presidente da associação, Paulo Petroni. 

Em dezembro do ano passado, a produção de cerveja registrou crescimento de 1,3% na comparação anual e de 15,1% ante novembro.

Se confirmada a perspectiva da entidade, o resultado do setor deve reverter a queda de 2,6% observada na produção em 2013.

Acompanhe tudo sobre:bebidas-alcoolicasCervejasCrescimento econômicoDesempenhoDesenvolvimento econômicogestao-de-negociosResultado

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame