Acompanhe:

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 0,1% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com os três meses imediatamente anteriores. Os dados são do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais, divulgado nesta terça-feira, 5, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O PIB, que é a soma dos bens e serviços finais produzidos no Brasil, totalizou R$ 2,741 trilhões em valores correntes no trimestre. O resultado ficou acima da expectativa do mercado financeiro, que esperava uma queda entre 0,2% e 0,4%. Alta do setor de serviços e aumento do consumo das famílias explicam o resultado. 

Na comparação com o mesmo trimestre de 2022, o PIB cresceu 2,0%, impactado pelos resultados positivos dos três grandes setores. Segundo o IBGE, essa é a terceira taxa positiva seguida, após a variação de -0,1% nos últimos três meses do ano passado. O PIB acumula alta de 3,2% no período de 12 meses. 

Com o resultado, a atividade econômica brasileira opera 7,2% acima do patamar pré-pandemia, registrado no quarto trimestre de 2019, e atinge o ponto mais alto da série histórica.

Quanto ficou o PIB do Brasil?

  • O PIB do Brasil cresceu 0,1% no terceiro trimestre deste ano

Revisão dos dados do primeiro e do segundo trimestre

Além do resultado do terceiro trimestre, o IBGE divulgou a revisão de todos os trimestres do ano passado e dos dois primeiros deste ano. Com a revisão, o resultado de 2022 teve uma variação positiva de 0,1%. No caso do primeiro trimestre de 2023, a revisão derrubou o resultado de 1,9% para 1,4%. No segundo trimestre, a variação foi de 0,9% para 1%. "As revisões do primeiro e segundo trimestres de 2023 foram mais relacionadas à agropecuária, porque agora incorporamos as estimativas de novembro do LSPA, com o ano já terminando”, explica a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Por que o PIB do Brasil subiu no terceiro semestre?

De acordo com o IBGE, dois dos três grandes setores econômicos avançaram no trimestre: Indústria, com alta de 0,6%, e Serviços. com avanço de 0,6%.

Das sete atividades analisadas no setor de serviços, seis ficaram no campo positivo. Os maiores aumentos percentuais vieram de seguros e serviços relacionados, com alta de 1,3%, especialmente na parte ligada aos seguros, e as imobiliárias (1,3%), com o aumento no número dos domicílios. 

Entre as atividades industriais, o único crescimento foi registrado pelo setor de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (3,6%), influenciado pelo crescimento no consumo de energia. “Está sendo um ano bom para o setor, sem problemas hídricos e com bandeira verde. Também foi muito quente, o que favoreceu o consumo de eletricidade e de água”, analisa Palis.

Primeira queda do agro em cinco trimestres

A agropecuária, destaque dos últimos resultados, caiu 3,3% no período, após alta de 0,5% no trimestre anterior. De acordo com dados revisados do IBGE, essa foi a primeira queda da atividade após cinco trimestres com taxas positivas. 

 “A agropecuária atingiu o seu maior patamar no trimestre passado e neste há a saída da safra da soja, a maior lavoura brasileira, que é concentrada no primeiro semestre. Então há a comparação de um trimestre em que há um grande peso da soja com outro em que ela não pesa quase nada. Portanto, essa queda era esperada, mas está sendo um bom ano para a atividade, que está acumulando alta de 18,1% até o terceiro trimestre”, avalia a pesquisadora.

Crescimento do consumo das famílias

Em comparação ao segundo trimestre, consumo das famílias cresceu 1,1% e a do Governo, 0,5%. “O crescimento do consumo das famílias é explicado por alguns fatores, como os programas governamentais de transferência de renda, a continuação da melhora do mercado de trabalho, a inflação mais baixa e o crescimento do crédito. Por outro lado, apesar de começarem a diminuir, os juros seguem altos e as famílias seguem endividadas. Houve também a queda no consumo de bens duráveis”, destaca Palis.

Na ótica da demanda, houve queda de 2,5% nos investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) frente ao segundo trimestre. Essa foi a quarta queda consecutiva desse indicador. “É um reflexo da política monetária contracionista, com queda na construção e também na produção e importação de bens de capital. Todos os componentes que mais pesam nos investimentos caíram neste trimestre”, analisa Rebeca.

O que é o PIB e como ele é calculado?

O PIB (sigla para Produto Interno Bruto) consiste na soma de todos os bens e serviços que foram produzidos em um território ao longo de um período de tempo. Para o cálculo do PIB, considera-se o resultado na moeda local do país. 

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Com mais de US$ 13 bilhões, Itajaí, em SC, foi a cidade que mais importou no Brasil em 2023
Economia

Com mais de US$ 13 bilhões, Itajaí, em SC, foi a cidade que mais importou no Brasil em 2023

Há 3 horas

Governo negocia com Congresso mas é pressionado com vetos e desoneração
Economia

Governo negocia com Congresso mas é pressionado com vetos e desoneração

Há 5 horas

Governo continua aberto à negociação em relação à desoneração, afirma Padilha
Economia

Governo continua aberto à negociação em relação à desoneração, afirma Padilha

Há 7 horas

Exclusivo: Discussões na Câmara de SP não vão atrasar privatização da Sabesp, afirma secretária
Economia

Exclusivo: Discussões na Câmara de SP não vão atrasar privatização da Sabesp, afirma secretária

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais