Economia

Perse vai à votação no Senado; relatora avalia corrigir valor de R$ 15 bilhões pela inflação

A Câmara aprovou texto que estabelece um teto de R$ 15 bilhões para os incentivos fiscais, reduzindo de 44 para 30 os tipos de serviços beneficiados

Publicado em 30 de abril de 2024 às 06h04.

Tudo sobreDesoneração da folha de pagamentos
Saiba mais

O projeto de lei que altera as regras do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse) está na pauta de votação do plenário do Senado nesta terça-feira, 30. Criado pela Lei 14.148, de 2021, o programa concede benefícios tributários ao setor de eventos, duramente prejudicado durante a pandemia da Covid-19.

Segundo o líder do governo no Congresso Nacional, o senador Randolfe Rodrigues, o Perse, junto com os benefícios tributários na folha de pagamento dados a outros setores da economia, prejudicam o equilíbrio das contas públicas.

A princípio, o programa duraria até fevereiro de 2027. No final de 2023, no entanto, uma Medida Provisória determinou que ele fosse extinto de forma gradual nos próximos dois anos. A maior parte dos impostos, como CSLL e PIS/Cofins, voltaria a ser paga a partir de 1º de abril deste ano – já a cobrança plena de tributos seria retomada a partir de 2025.

No entanto, na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que estabelece um teto de R$ 15 bilhões para os incentivos fiscais do programa, de abril de 2024 a dezembro de 2026, reduzindo de 44 para 30 os tipos de serviços beneficiados atualmente. A proposta agora passará pelo crivo dos senadores.

A relatora no Senado, Daniella Ribeiro (PSD-PB), já disse que vai incluir a correção pela inflação no custo de R$ 15 bilhões do programa até o fim de 2026.

Ricardo Roman, presidente da Associação Brasileira Indústria Hotéis São Paulo (ABIH SP), reafirma que o fim do programa interromperia novos investimentos e o pagamento de dívidas adquiridas durante a pandemia. Ele também elogiou a decisão da Câmara manter o Perse como estava, concordando com a redução dos serviços beneficiados. Roman afirmou, ainda, que vê de forma positiva a correção pela inflação.

Quais os argumentos para a manutenção do Perse?

Ricardo Roman afirma que a isenção foi dada como uma uma forma de o governo pedir para que empresários do setor do turismo não fechassem seus negócios. O fim do Perse representaria de 5% a 8% do faturamento bruto da categoria, que inclui empresas de turismo e serviços.

"Fizemos todo o planejamento em cima do que foi prometido lá em 2021. Contratamos mais funcionários, reformamos, isso em toda a cadeia do turismo. E, da noite para o dia, querem tirar isso da gente", argumenta.

De março de 2020 a abril de 2022, fase mais tensa da pandemia, o prejuízo das atividades turísticas chegaram em R$ 515 bilhões, segundo cálculo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

"Hoje voltamos ao faturamento de 2019, porém estamos todos muito mais endividados", afirma Ricardo. 

Quais os argumentos para a suspensão do Perse?

O argumento para a revogação do Perse é que o gasto excedeu à proposta inicial do programa, que era de uma despesa anual de R$ 4 bilhões por ano. Segundo o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, essa despesa chegou a R$ 17 bilhões. 

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Haddad falou sobre a 'disputa' entre Executivo e Legislativo sobre o Orçamento, afirmando que, assim como o governo federal, o Congresso Nacional também deveria ter responsabilidade fiscal.

“Há não muito tempo, criar despesas e renunciar a receitas eram atos exclusivos do Poder Executivo. O Supremo Tribunal Federal disse que o Parlamento também tem o direito de fazer o mesmo. Mas qual é o desequilíbrio? É que o Executivo tem que respeitar a Lei de Responsabilidade Fiscal, e o Parlamento, não”, disse o ministro da Fazenda.

Em resposta, o presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que ter responsabilidade fiscal e exigir do Parlamento adesão integral ao que pensa o Executivo sobre o desenvolvimento do Brasil são coisas diferentes.

Acompanhe tudo sobre:Desoneração da folha de pagamentosFernando Haddad

Mais de Economia

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Inflação ao consumidor na China continua em alta

Petrobras prevê perfurar novos poços do pré-sal em 2025 para garantir futuro da bacia de Campos

Senado estuda usar atualização do IR e repatriação para compensar desoneração

Mais na Exame