Paralisação de refinaria derrubou indústria de SP em agosto, diz IBGE

A queda de 0,9% no Estado foi puxada pelo setor de derivados de petróleo e biocombustíveis

Rio - A produção do maior parque industrial do País, São Paulo, foi prejudicada na passagem de julho para agosto pela interrupção da produção na Refinaria de Paulínia (Replan), atingida por um incêndio.

A queda de 0,9% no estado foi puxada pelo setor de derivados de petróleo e biocombustíveis, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgados nesta terça-feira, 9, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

"São Paulo foi a maior influência negativa sobre o total nacional", afirmou Bernardo Almeida, analista da Coordenação de Indústria do IBGE.

A indústria paulista já vinha de recuo em julho, quando caiu 1,2% em relação a junho. Com a queda de agosto, a produção passou a operar 18,5% abaixo do pico alcançado em março de 2011.

"O patamar de produção está mais próximo do ponto mais baixo do que do ponto mais alto", disse Almeida.

A indústria local está 13,2% acima do ponto mais baixo de produção, atingido em julho de 2003.

São Paulo tem uma participação de 34% na indústria nacional. Em agosto ante julho, houve mais estados com crescimento, mas as regiões que registraram perdas foram as mais influentes, apontou o IBGE.

Na média global, a indústria encolheu 0,3% em agosto ante julho, o segundo recuo consecutivo. Segundo Almeida, o efeito da greve de caminhoneiros sobre a indústria já passou, a produção já compensou a perda, mas a paralisação afetou as expectativas.

"A falta de expectativas positivas desacelera a indústria e faz as tomadas de decisões serem mais cautelosas sobre o ritmo de produção. Nesse momento de cenário de incertezas é que a produção está sendo cautelosa, a tomada de decisões está sendo cautelosa", resumiu Almeida.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.