Negociação entre EUA e China foca em reduzir déficit comercial

Um acordo definitivo para resolver profundas diferenças comerciais pode levar um tempo, afirmou assessor comercial da Casa Branca, Larry Kudlow

Washington/Pequim - A China está "atendendo muitas" das exigências da administração Trump para reduzir o superávit comercial com os Estados Unidos, mas um acordo definitivo para resolver as profundas diferenças comerciais pode levar um tempo, afirmou na sexta-feira o assessor comercial da Casa Branca, Larry Kudlow.

"A China tem que vir ao comércio", disse Kudlow a repórteres na Casa Branca, quando autoridades dos EUA se reuniram com uma delegação chinesa pelo segundo dia em Washington.

"Eles estão atendendo muitas de nossas exigências. Ainda não há acordo, e provavelmente levará um tempo para acontecer, mas eles estão se empenhando."

Kudlow disse que os chineses ofereceram um pacote de compras de bens dos EUA e outras medidas para reduzir o superávit comercial anual da China com os EUA em cerca de 200 bilhões de dólares, contradizendo um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês que negou que tal redução havia sido oferecida.

"Esse rumor não é verdade. Isso eu posso confirmar para vocês", disse o porta-voz Lu Kang em entrevista à imprensa na sexta-feira, acrescentando que as discussões em Washington "são construtivas".

Kudlow disse que a oferta chinesa inclui compras de commodities energéticas e agrícolas, acrescentando que "o número é um bom número" e que a China também precisará reduzir barreiras não-tarifárias e concordar com um "processo comprovável segundo o qual a transferência de tecnologia e o roubo de propriedade intelectual pare".

O presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou adotar tarifas sobre até 150 bilhões de dólares em bens chineses para combater o que ele diz ser apropriação ilegal por Pequim de tecnologia norte-americana. Pequim ameaça retaliação, incluindo tarifas sobre algumas das maiores importações dos EUA, incluindo aeronaves, soja e automóveis.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.