"Não houve sintonia", diz Onyx sobre saída de Levy do BNDES

Ministro da Casa Civil afirmou que "houve uma incompatibilidade de gênios" entre o presidente Jair Bolsonaro e o líder do banco

São Paulo - O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta segunda-feira, 17, que o pedido de demissão do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, é um direito do presidente da República, Jair Bolsonaro, que o nomeou para cargo. "Houve uma incompatibilidade de gênios, não houve sintonia", disse o ministro após a abertura do Ethanol Summit, em São Paulo.

Onyx minimizou as críticas do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que classificou a saída de Levy como uma covardia sem precedentes. "É vida que segue; foi algo respeitoso e natural. É questão natural do governo."

Segundo o ministro, o presidente Bolsonaro deseja que o próximo titular do BNDES "abra a caixa preta" da instituição de fomento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.