Economia

Momento é difícil e remédio é amargo, diz Itaú Unibanco

O presidente do banco disse que o momento que o país atravessa é difícil e o remédio para sair dessa situação é amargo

Roberto Setubal: "o remédio é amargo e não tem o que fazer. Tomado o remédio, os efeitos colaterais e reais passarão a existir" (Paulo Fridman/Bloomberg)

Roberto Setubal: "o remédio é amargo e não tem o que fazer. Tomado o remédio, os efeitos colaterais e reais passarão a existir" (Paulo Fridman/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de maio de 2015 às 22h37.

São Paulo - O momento que o Brasil atravessa é difícil e complexo e o remédio para sair dessa situação é amargo, de acordo com o presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal.

Neste cenário, o país caminha para fazer a lição de casa, segundo ele, e a economia deve começar a apresentar melhora ao longo da segunda metade deste ano e em 2016.

"Estamos passando por uma fase complicada. O remédio é amargo e não tem o que fazer. Tomado o remédio, os efeitos colaterais e reais passarão a existir", avaliou Setubal, em evento de premiação, em São Paulo. "Acredito que já vamos ver economia melhorando um pouco ao longo do segundo semestre e um ano moderado em 2016", acrescentou.

Na visão de Setubal, o ano está sendo particularmente difícil para o mundo financeiro por conta de crédito e inadimplência.

Os bancos têm aumentado o gasto com calotes devido à piora do risco corporativo no Brasil em meio aos desdobramentos da Operação Lava Jato, que apura denúncias de cartel e corrupção na Petrobras.

No entanto, o Itaú tem apresentado resultado razoável, conforme Setubal, por conta das medidas que tomou desde 2011, quando passou a priorizar segmentos de menor risco.

Como consequência, controlou os calotes, cuja melhoria na qualidade de ativos têm se renovado a cada trimestre, e elevou seu retorno. No primeiro trimestre, o lucro líquido do Itaú foi a R$ 5,733 bilhões, 29,7% maior que o visto em mesmo intervalo do ano passado, de R$ 4,419 bilhões.

Segundo Setubal, o Brasil está no caminho de fazer a lição de casa para as coisas melhorarem. "Sou otimista e acredito no Brasil. As coisas vão melhorar", destacou o presidente do Itaú Unibanco.

Mais cedo, em entrevista ao Broadcast, o executivo disse que corte de R$ 69,9 bilhões anunciado pelo governo na semana passada foi importante. "Foi um corte importante. O governo está na direção certa", resumiu ele.

Acompanhe tudo sobre:BancosBanqueirosBilionários brasileiroseconomia-brasileiraEmpresáriosEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasFinançasItaúItaúsaPersonalidadesRoberto Setubal

Mais de Economia

Alckmin pede que deputados retirem taxação de importados do Mover

Como funciona o voo de 25 horas que liga São Paulo a Pequim

BNDES está discutindo com a Fazenda linha especial para reconstrução do RS, diz Barbosa

Boletim Focus: mercado consolida desancoragem de expectativas de inflação e espera juros mais altos

Mais na Exame