Economia

Brasil e México assinam acordo para investimentos

Presidentes das duas maiores economias latino-americanas assinaram um acordo de cooperação e facilitação de investimentos

A presidente Dilma Rousseff chega ao México debaixo de chuva (Henry Romero/Reuters)

A presidente Dilma Rousseff chega ao México debaixo de chuva (Henry Romero/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de maio de 2015 às 22h45.

Cidade do México - Presidentes das duas maiores economias latino-americanas, Dilma Rousseff e Enrique Peña Nieto assinam, na terça-feira, 26, um acordo de cooperação e facilitação de investimentos para reduzir riscos, elevar a previsibilidade e prevenir conflitos nos negócios mútuos.

Terceiro tratado do tipo firmado pelo Brasil e o primeiro com um país da região, o documento sinaliza uma mudança na postura internacional do governo, na direção de maior abertura ao comércio exterior, segundo o Itamaraty.

O acordo será o principal ponto da visita de Estado que Dilma faz amanhã e na quarta-feira, 27, ao México, a primeira desde sua chegada ao poder, em 2011.

O tratado cria um "comitê gestor" de investimentos, que se reunirá com frequência para trocar informações e sanar eventuais diferenças, com o objetivo de evitar conflitos. Também estabelece a figura de um ombudsman, que terá a missão de dar apoio governamental aos investimentos da outra parte em seu país.

O México é um dos principais investidores estrangeiros no Brasil, com um estoque de US$ 23 bilhões. Entre os maiores beneficiados pelo acordo está o empresário Carlos Slim, da América Móvil, dono da Claro, Embratel e Net. Na mão contrária, o Brasil tem estoque de apenas US$ 2 bilhões no México, mas o volume mais que dobrará com a conclusão de uma fábrica da Braskem para produção de polietileno, prevista para o fim do ano.

No valor de US$ 5 bilhões, o projeto é o maior investimento estrangeiro no setor petroquímico recebido pelo México nos últimos 20 anos.

"Isso é um passo novo e representa um novo olhar no comércio exterior", disse nesta segunda-feira, 25, na Cidade do México o embaixador Antônio Simões, subsecretário-geral para América do Sul, Central e Caribe do Itamaraty. Em sua opinião, os acordos de promoção de investimentos representam maior "permeabilidade" e "abertura" ao exterior.

Até agora, o Brasil tinha dois tratados do tipo, assinados há pouco mais de um mês com Angola e Moçambique. Rodrigo Azeredo, chefe do Departamento de Promoção Comercial e Investimentos do Itamaraty, afirmou que Colômbia e Peru já manifestaram interesse em ter acordos semelhantes com o Brasil.

Simões foi evasivo quando perguntado se um tratado de investimentos poderia ser assinado com os Estados Unidos durante a visita de Dilma a Washington, no fim de junho. Segundo ele, há um grupo de trabalho com representantes do Itamaraty e do Ministério do Desenvolvimento para analisar os próximos passos nessa área.

Ao lado do fortalecimento da proteção ao investimento, o setor privado quer ampliar o tratado de preferências tarifárias assinado pelos dois países em 2002.

Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil exporta 4.798 produtos para o México, mas o acordo abrange apenas 800, dos quais só 140 podem ser vendidos com tarifa zero.

O setor privado brasileiro quer incluir no acordo produtos nos quais considera ter competitividade, entre os quais cosméticos, alimentos, eletroeletrônicos e tecnologia da informação.

Impulsionado por uma série de tratados comerciais, o México registrou no ano passado um volume de exportações e importações de US$ 798 bilhões, bem acima dos US$ 454 bilhões do Brasil.

E a percepção no país é a de que o parceiro do Sul tende a ser protecionista. Quando houve a renovação do acordo do setor automotivo, em março, os mexicanos defendiam a adoção do livre comércio, mas o Brasil insistiu na manutenção do sistema de quotas.

Os tratados de investimentos com o México, Angola e Moçambique representam um novo modelo de negociação com outros países nessa área, depois da tentativa de aprovação de documentos semelhantes durante o governo Fernando Henrique Cardoso, disse Simões.

Na gestão do tucano, o Congresso se recusou a chancelar 14 acordos de proteção de investimentos negociados pelo Executivo. Uma das principais críticas tinha por alvo a possibilidade de o Estado brasileiro ser acionado em tribunais internacionais por investidores estrangeiros.

Os textos foram retirados do Congresso e só agora, 12 anos mais tarde, o governo definiu uma fórmula que considera palatável aos parlamentares e aos investidores.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaDilma RousseffInvestimentos de governoMéxicoPersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos Trabalhadores

Mais de Economia

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Número de trabalhadores sindicalizados cai pela metade em 11 anos, diz IBGE

Governo avalia propostas para compensar desoneração da folha neste ano

Lula reclama de decisão do Banco Central sobre taxa de juros: ‘Uma pena que manteve’

Mais na Exame