Mercosul está pronto para acordo com União Europeia

Dilma Rousseff disse que Brasil está pronto para apresentar proposta no marco das negociações para acordo de livre-comércio entre o Mercosul e a União Europeia

São Paulo - A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira em São Paulo, junto a seu colega francês François Hollande, que o Brasil está "pronto" para apresentar em janeiro sua proposta no marco das negociações para um acordo de livre-comércio entre o Mercosul e a União Europeia (UE).

"O Brasil e o Mercosul já estão prontos para fazer uma oferta comercial. Esperamos que a oferta seja apresentada em janeiro", declarou Dilma durante seu discurso no Fórum Econômico Franco-Brasileiro, realizado nesta sexta-feira na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a maior agremiação empresarial do país.

Os dois blocos tinham se comprometido a apresentar suas ofertas em dezembro, mas a União Europeia pediu para adiar até janeiro a troca de propostas, segundo informou nesta semana o ministro brasileiro de Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo.

O porta-voz comunitário da UE, John Clancy, admitiu que o bloco europeu optou por adiar a troca de ofertas para "o começo de 2014" perante a proximidade do recesso natalino nas instituições comunitárias.

A negociação entre o Mercosul e a UE começou formalmente em 2000, mas desde então foi prolongada sem sucesso e inclusive chegou a ser paralisada totalmente em 2004.


As conversas foram retomadas em 2010, mas o processo ficou novamente suspenso pela crise que significou a suspensão do Paraguai em junho de 2011, após a destituição do então presidente Fernando Lugo, o que foi superado em agosto quando Horacio Cartes assumiu como novo chefe de Estado paraguaio.

No fórum realizado em São Paulo, Hollande apontou que "o Brasil é um dos aliados mais importantes da França na América Latina".

"Um dia, se a relação entre Mercosul e UE seguir caminhando, falaremos em euro (e não em dólares). Queremos uma estabilidade no sistema monetário internacional", afirmou.

A governante brasileira destacou também os "evidentes progressos" na reunião da Organização Mundial do Comércio (OMC) realizada em Bali na última semana.

A "facilitação do comércio" e a "eliminação de subsídios agrícolas", com adiantamentos significativos, "pela primeira vez" permitirão "fortalecer o sistema de comércio" mundial, ressaltou Dilma.

Hollande encerra nesta sexta-feira em São Paulo uma visita de Estado de dois dias ao Brasil, na qual se reuniu na quinta-feira com Dilma, em Brasília, e participou de outras atividades de caráter econômico, político e diplomático.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.