Economia

Massa de salários é recorde com mais ocupados e manutenção da renda do trabalhador, diz IBGE

Dados do Pnad mostram nível de R$ 286 872 bilhões, uma alta de 6,2% no trimestre encerrado em julho de 2023

Salários: fenômeno é resultado de um mercado de trabalho com mais pessoas ocupadas (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Salários: fenômeno é resultado de um mercado de trabalho com mais pessoas ocupadas (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 31 de agosto de 2023 às 15h43.

A massa de salários em circulação na economia aumentou em R$ 16 661 bilhões no período de um ano, para o nível recorde de R$ 286 872 bilhões, uma alta de 6,2% no trimestre encerrado em julho de 2023 ante o trimestre terminado em julho de 2022.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo em primeira mão. Inscreva-se no Telegram da Exame

Segundo Adriana Beringuy, coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, a massa de renda é a maior já vista não apenas na série comparável, mas em toda a série histórica da pesquisa. O fenômeno é resultado de um mercado de trabalho com mais pessoas ocupadas, acompanhado de uma manutenção da renda do trabalhador, justificou.

"Temos crescimento da ocupação e estabilidade no rendimento", disse Adriana Beringuy. "A gente está tendo um movimento satisfatório da população ocupada. Algumas atividades, que antes vinham registrando perda de trabalhadores começam a sinalizar uma pequena recuperação. Então isso é um fato importante."

Na comparação com o trimestre terminado em abril, a massa de renda real subiu 2,0% no trimestre terminado em julho, R$ 5,668 bilhões a mais. O rendimento médio dos trabalhadores ocupados teve uma alta real de 0,6% na comparação com o trimestre até abril, R$ 19 a mais, para R$ 2.935.

Alta nos rendimentos

Em relação ao trimestre encerrado em julho de 2022, a renda média real de todos os trabalhadores ocupados subiu 5,1%, R$ 143 a mais.

A renda nominal, ou seja, antes que seja descontada a inflação no período, cresceu 1,5% no trimestre terminado em julho ante o trimestre encerrado em abril. Já na comparação com o trimestre terminado em julho de 2022, houve elevação de 9,0% na renda média nominal.

Segundo Adriana Beringuy, embora venha crescendo o trabalho informal, que, de modo geral, reúne trabalhadores com rendimento mais baixo, a renda média não está sendo puxada para baixo.

"O crescimento da informalidade não está se manifestando em queda do rendimento", frisou Beringuy. "A manutenção do rendimento médio real e do crescimento do número de trabalhadores, é que explica esse crescimento da massa de rendimento."

Acompanhe tudo sobre:IBGEEmpregosrenda-pessoal

Mais de Economia

Temporada de resultados nos EUA: o que explica o otimismo do mercado?

Boletim Focus: mercado eleva projeções do IPCA para 2024, 2025 e 2026

Cigarro pode ser taxado em 250% e cerveja em 46%, estima banco

Cade analisa se parceria entre Gol e Azul precisa ser submetida ao órgão

Mais na Exame