Economia

Maduro quer que venezuelanos comprem ouro para garantir poupança

“Ninguém poderá dizer que o ouro perde seu valor”, disse Maduro, mas compradores não receberão barras e sim certificados eletrônicos que vencem em 12 meses

Mural do Banco Central da Venezuela mostra o ex-presidente Hugo Chávez com barras de ouro (Meridith Kohut/Bloomberg)

Mural do Banco Central da Venezuela mostra o ex-presidente Hugo Chávez com barras de ouro (Meridith Kohut/Bloomberg)

A

AFP

Publicado em 28 de agosto de 2018 às 12h18.

Última atualização em 28 de agosto de 2018 às 13h23.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, lançou nesta segunda-feira bônus lastrados em pequenos lingotes de ouro, para incentivar a poupança entre a população, em meio à evaporação da moeda local diante da hiperinflação.

"Ninguém poderá dizer que o ouro perde seu valor", disse Maduro em cadeia nacional de rádio e TV, enquanto mostrava dois cartões com emblema do Banco Central e retângulos dourados que definiu como "lingotinhos".

A emissão, lastrada em pequenos lingotes - de 1,5 e 2,5 gramas de ouro - começará no próximo dia 11 de setembro como parte de um plano para "recuperar o sistema de poupança nacional e para que as pessoas possam pensar a médio e longo prazo", explicou Maduro.

O valor do bônus lastrado em 1,5 grama de ouro será de 3.502 bolívares (58 dólares segundo o câmbio oficial) e o de 2,5 gramas, de 5.780 bolívares (96 dólares), informou o vice-presidente da área econômica, Tareck El Aissami.

Os compradores não receberão as barras de ouro, apenas certificados eletrônicos, que vencerão em 12 meses.

O ouro ficará "nos cofres do Banco Central para que ninguém o toque", declarou Maduro.

"A pessoa que comprar hoje dentro de um ano, quando vencer o certificado, vai ter o valor do futuro, lastrado em ouro", disse El Aissami.

Maduro destacou que o plano para incentivar a poupança faz parte do pacote de reformas econômicas que tiraram cinco zeros do bolívar e aumentaram em 3.400% o salário mínimo.

"O presente mais notável, desejado, no próximo Natal será o certificado de poupança em ouro (...). O ouro vale sempre o que vale, nunca menos".

Os venezuelanos enfrentam uma inflação que em 2018 deve ser de 1.000.000%, segundo o FMI.

Acompanhe tudo sobre:Crise econômicaNicolás MaduroOuroPoupançaVenezuela

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame