Economia

Consórcio arremata lote de rodovias do Litoral Paulista; governo Tarcísio prevê R$ 4,3 bi em obras

Consórcio Novo Litoral, liderado pela Companhia Brasileira de Infraestrutura (CBI), levou o leilão ao oferecer deságio de 10,17%

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 16 de abril de 2024 às 11h31.

Última atualização em 16 de abril de 2024 às 14h56.

O Consórcio brasileiro Novo Litoral arrematou o Lote Litoral Paulista, com oferta de deságio de 10,17% sobre as contraprestações anuais do governo estadual. O leilão prevê investimentos de R$ 4,3 bilhões em melhorias nos trechos que ligam o Alto Tietê ao litoral sul do estado de São Paulo. O leilão aconteceu na sede da B3, em São Paulo.

O consórcio vencedor é formado pela Companhia Brasileira de Infraestrutura (CBI) e a construtora Consladel CLD. Além do grupo, participou da disputa a espanhola Acciona, que ofereceu apenas 1% de deságio e não fez ofertas para cobrir o valor oferecido pelo Novo Litoral.

O CEO do CBI, Nei Moreira, afirmou que o consórcio estudava o projeto há mais de 120 dias e que vai buscar linhas de financiamento para bancar as obras.

”Parte será  dos recursos serão do caixa próprio. E, obviamente, olhamos para linhas do BNDES e outras opções. Temos um leque de opções projetados no nosso plano de negócio. E agora, com a vitória confirmada, nós partiremos para buscar a melhor alternativa”, disse Moreira.

Questionado sobre a capacidade do grupo vencedor em executar a obra, o governador Tarcísio de Freitas afirmou que o consórcio tem todos os requisitos necessários para executar os investimentos previstos.

“É um grupo que tem concessões no Mato Grosso, e está se saindo bem, e estão bem posicionados no litoral. Tem contratos e conhecem bem a região. Eles tem todas as condições de fazer um bom trabalho”, disse Tarcísio.

O chefe do executivo paulista comentou ainda que o valor de desconto foi satisfatório. “Se o desconto fosse de 0% teria sido um sucesso. A grande questão é que o desconto alto preocupa a gente, porque significa destruição de valor. O desconto de hoje é razoável”, concluiu.

A concessão integra o Programa de Parcerias e Investimentos do estado e terá 30 anos de contrato. Serão 213 quilômetros entre as rodovias SP-055 (Rodovia Padre Manoel da Nóbrega), SP-088 (Mogi-Dutra) e SP-098 (Mogi-Bertioga), que passam pelos municípios de Arujá, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Bertioga, Santos, Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém, Peruíbe, Itariri, Pedro de Toledo e Miracatu. O lote vista melhorar a qualidade dos trechos que fazem a ligação da capital e as praias do estado.

Por se tratar de uma modalidade concessão patrocinada, existe a previsão do governo entrar com uma parte dos recursos para viabilizar os investimentos.

O edital prévia que o executivo paulista realizasse um pagamento anual de R$ 199,5 milhões ao concessionário. Com o desconto de 10,17% oferecido pelo Consórcio Novo Litoral nas contraprestações anuais, o valor de recursos públicos no empreendimento será de R$ 179,1 milhões. Como o deságio não chegou a 100%, não terá a previsão de pagamento de uma outorga, que era o critério adicional para a disputa.

Quais serão as obras do Lote Litoral Paulista?

Segundo a administração estadual, os recursos serão aplicados em duplicação, ampliação de vias, acessos, melhorias em dispositivos de acesso e retorno, obras de infraestrutura viária, além de serviços como atendimento por equipes de socorro mecânico, guincho, primeiros socorros e monitoramento das rodovias por sistemas de câmeras.

Ao todo, serão mais de 90 km de duplicações, 10 quilômetros de faixas de ultrapassagem e 47 quilômetros de acostamentos. Também serão construídos 73 quilômetros de ciclovias e 27 novas passarelas para passagens de pedestres.

Além disso, a iniciativa prevê a adoção do sistema automático livre para o pagamento de tarifas de pedágio, também conhecido como Free Flow. O modelo permite que motoristas trafeguem sem a necessidade de parar em praças físicas de pedágio e traz tarifas mais justas de acordo com o trecho rodado.

Trechos municipais

O trecho entre os municípios de Arujá e Mogi das Cruzes será completamente duplicado. Entre a SP-070 e Mogi, a concessão prevê três faixas de rolamento, para eliminação de gargalos rodoviários. Já o deslocamento entre Mogi e Bertioga contará com faixas adicionais, acostamento e rampas de escape que darão mais segurança aos motoristas.

O trecho Bertioga-Santos também será duplicado e terá ciclovia em toda a sua extensão. Já o trajeto entre Peruíbe e Praia Grande vai ganhar vias marginais e dispositivos para garantir a conectividade dentro das cidades. Miracatu-Peruíbe é outro trecho que passará por duplicação das vias, além de incluir dispositivos viários, marginais e passarelas.

Leilão deve gerar R$ 880 milhões aos municipios

A previsão da gestão Tarcísio é que a concessão gere receita de R$ R$ 878,6 milhões de repasse de ISS aos 12 municípios da região.

O valor virá do repasse das receitas de tarifas de pedágio – o ISS incide sobre as tarifas cobradas pela concessionária — e foi calculado de acordo com a demanda prevista pelo estudo de viabilidade do projeto durante os 30 anos do contrato de concessão.

Acompanhe tudo sobre:Tarcísio Gomes de FreitasLeilõesExploração de rodovias

Mais de Economia

Governo avalia usar saldo de Itaipu para isentar contas de luz de consumidores do Rio Grande do Sul

Efeitos das enchentes no RS na economia serão sentidos no PIB e nos preços, diz secretário

Petrobras: novo modelo de venda a distribuidoras deve reduzir preço do gás em até 10%

Petrobras anuncia redução nos preços do gás natural

Mais na Exame