Economia

Juiz autoriza pagamento de US$ 85 mi da dívida argentina

O Citibank poderá processar os pagamentos dos juros aos credores da dívida reestruturada feitos pela Argentina, assim como toda a cadeia de pagamento


	Pesos argentinos: permanecem bloqueados integralmente os US$ 534 milhões que a Argentina depositou no Bank of New York Melon
 (Diego Giudice/Bloomberg)

Pesos argentinos: permanecem bloqueados integralmente os US$ 534 milhões que a Argentina depositou no Bank of New York Melon (Diego Giudice/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de novembro de 2014 às 05h48.

Nova York - O juiz americano Thomas Griesa, responsável pelo caso entre a Argentina e os fundos especulativos, autorizou nesta segunda-feira o Citibank a efetuar o pagamento aos credores de títulos da dívida reestruturada com vencimento em 31 de dezembro de 2014 no valor de US$ 85 milhões de dólares.

Além disso, Griesa adiou a audiência programada para 9 de dezembro no tribunal de Manhattan para depois de 1º de janeiro de 2015.

O Citibank pediu o desbloqueio dos títulos em dólares emitidos sob a legislação argentina e o juiz deu um mês de prazo para que os fundos especulativos demonstrassem que os argumentos apresentados pelos advogados do banco eram falsos.

Os advogados do Citibank argumentaram que esses títulos não eram relativos à dívida externa, mas à dívida interna emitida em moeda estrangeira, por isso não estavam submetidos à cláusula "pari passu", que determina o bloqueio do pagamento aos credores que aceitaram a renegociação da dívida até que os fundos especulativos recebam o que lhes é devido.

Segundo a ordem publicada hoje pelo juiz americano, o Citibank poderá processar os pagamentos dos juros aos credores da dívida reestruturada feitos pela Argentina, assim como toda a cadeia de pagamento através de intermediários entre o banco e os detentores dos títulos.

No entanto, permanecem bloqueados integralmente os US$ 534 milhões que a Argentina depositou no Bank of New York Melon (Bony) e que, após a determinação de Griesa, produziram a moratória parcial da dívida do país sul-americano. 

Acompanhe tudo sobre:América LatinaArgentinaBancosCitibankCitigroupDívidas de paísesEmpresasEmpresas americanasMercado financeiroTítulos públicos

Mais de Economia

Petrobras faz acordo com União e impacto no lucro será de R$ 11 bilhões

Senado deve votar marco regulatório do hidrogênio verde nesta terça-feira

Governo e Senado acertam ajustes do PL para substituir MP do PIS/Cofins

Após enchentes, Rio Grande do Sul perde 25% da arrecadação no ICMS

Mais na Exame