Mercados

Bolsa de Tóquio fecha no maior nível em 7 anos

A bolsa foi impulsionada pela desvalorização do iene


	Bolsa de Tóquio: o Nikkei subiu 2,05%, a 17.124,11 pontos
 (Getty Images)

Bolsa de Tóquio: o Nikkei subiu 2,05%, a 17.124,11 pontos (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 11 de novembro de 2014 às 06h55.

Tóquio - A Bolsa de Tóquio fechou no maior nível em sete anos nesta terça-feira, impulsionada pela desvalorização do iene e por especulação sobre o possível adiamento de uma elevação de imposto prevista para o próximo ano, com avanço das ações de exportadoras e de outros papéis sensíveis ao câmbio.

O índice Nikkei, que reúne as empresas mais negociadas na capital do Japão, subiu 2,05%, a 17.124,11 pontos, encerrando o dia no maior patamar desde 16 de outubro de 2007.

A forte valorização no mercado acionário japonês se seguiu a outra alta do dólar frente ao iene, em meio a notícias na mídia de que o governo do primeiro-ministro Shinzo Abe poderá adiar o aumento planejado do imposto sobre consumo, dos atuais 8% para 10%. A princípio, o tributo seria elevado em outubro de 2015.

Circularam rumores também de que Abe poderá convocar eleições antecipadas na câmara baixa do Parlamento, numa tentativa de desestabilizar a oposição e melhorar sua popularidade, hoje em fase de declínio.

Exportadoras como a Fanuc e a Tokyo Electron, que tendem a se beneficiar com a fraqueza do iene, contribuíram para o rali em Tóquio, com ganhos de 2,2% e 4,4%, respectivamente.

Entre companhias influenciadas por balanços, a Sumitomo Metal Mining saltou 4,9% e a Citizen Holdings disparou 11%, após divulgarem lucro acima das expectativas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Acompanhe tudo sobre:Açõesbolsas-de-valoresCâmbioMercado financeiroNikkei

Mais de Mercados

"O mundo está passando por um processo grande de transformação", diz André Leite, CIO da TAG

Ibovespa fecha em leve alta de olho em relatório bimestral de despesas; dólar cai a R$ 5,57

Ações da Ryanair caem quase 15% após lucro da empresa desabar

Desistência de Biden, relatório de despesas, balanços e juros na China: o que move o mercado

Mais na Exame