Inflação sobe 0,95% em novembro e atinge 10,74% em 12 meses

A inflação brasileira está em dois dígitos desde setembro no acumulado de 12 meses, com a alta nos preços dos combustíveis puxando a fila nos últimos meses
Posto de gasolina: combustíveis tiveram maior impacto na alta do IPCA neste mês, segundo o IBGE (Alexandre Battibugli/Exame)
Posto de gasolina: combustíveis tiveram maior impacto na alta do IPCA neste mês, segundo o IBGE (Alexandre Battibugli/Exame)
C
Carolina Riveira

Publicado em 10/12/2021 às 09:07.

Última atualização em 10/12/2021 às 11:00.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA), uma das principais métricas da inflação no Brasil, fechou em 0,95% no mês de novembro, segundo divulgado nesta sexta-feira, 10, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A variação é a maior para o mês desde 2015.

No acumulado de 12 meses até novembro, a alta do índice é de 10,74%, a maior para o período desde 2003. No ano até aqui, isto é, entre janeiro e novembro, o IPCA subiu 9,26%.

Aprenda quais são os tipos de investimentos e como montar a sua própria carteira neste curso completo e acessível da EXAME.

O IPCA vem em uma trajetória de altas bruscas nos últimos meses, em meio à subida de preços de combustíveis no mercado internacional, crise hídrica que impactou a energia elétrica e preços dos alimentos que vieram de altas do ano passado.

O choque de oferta mundo afora diante da pandemia da covid-19, como a falta de insumos para a indústria, também colabora negativamente.

(Arte/via Flourish/Exame)

Em novembro, sete dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados no IPCA tiveram alta.

A maior variação (3,35%) e o maior impacto vieram dos Transportes, segundo o IBGE, frente que é afetada sobretudo pela alta dos combustíveis.

O preço da gasolina teve o maior impacto individual na alta do IPCA, com preços subindo 7,38%. A trajetória de alta acontece com todos os combustíveis de veículos e domésticos:

  • Em 12 meses, a gasolina acumula alta de 50,78%;
  • O etanol subiu 69,40% em 12 meses, a maior alta de um item individual no período;
  • Já o diesel subiu 49,56% desde novembro passado;
  • O gás de botijão subiu 38,88%.

Nos grupos gerais, o segundo maior impacto foi da Habitação (alta de 1,03%), que já vinha em alta no mês anterior, reflexo da alta do gás doméstico. Já Alimentação e Bebidas, grupo que vinha tendo forte alta em 2020 e no começo de 2021, teve queda em novembro (-0,04%), assim como Saúde e cuidados pessoais.

A variação do IPCA em novembro ficou pouco abaixo das expectativas dos analistas, que apontavam alta acima de 1%. A estimativa da equipe de Macro & Estratégia do banco BTG Pactual era de variação de 1,09%, já mostrando leve desaceleração na margem, mas patamar ainda alto.

As maiores altas de preços em novembro na cesta medida pelo IPCA foram nas cidades de Campo Grande (MS) e Salvador (BA).

Selic nas alturas

A inflação brasileira está em dois dígitos desde setembro no acumulado de 12 meses, e deve fechar 2021 desta forma, o que não acontecia desde 2015.

Ainda assim, diante da alta da taxa de juros, a expectativa é de desaceleração da economia e da demanda e consequente queda na inflação.

Bancos e casas de análise já projetam o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil com crescimento zero para o ano que vem. Os números do PIB no terceiro trimestre, divulgados neste mês, também mostram estagnação da economia, apesar da vacinação em massa que vem ocorrendo no Brasil.

(Arte/via Flourish/Exame)

Com a expectativa em baixo ou nenhum crescimento econômico e alta dos juros, a projeção dos analistas ouvidos no último boletim Focus, do Banco Central, é de IPCA em 5,02% em 2022. Este número vem aumentando progressivamente nas projeções, mas ainda é metade do visto hoje.

Nesta semana, o Banco Central também elevou a taxa Selic de 7,5% para 9,25%, em decisão já esperada pelo mercado.

A taxa básica de juros, vale lembrar, havia começado o ano em 2%, seu menor patamar histórico. Mas o BC tem promovido a maior alta de juros em 20 anos como tentativa de conter a inflação diante dos sinais ruins na frente fiscal e de estabilidade.

E não deve parar por aí: no boletim Focus desta semana, a mediana das projeções é de que a Selic fechará 2022 em 11,25%.