Acompanhe:

A criação de um imposto temporário sobre exportações de petróleo bruto, para ajudar a recompor o caixa do governo Lula, pode reduzir a competitividade da cadeia produtiva de óleo e gás do Brasil, afetar a credibilidade do país em relação à estabilidade das regras nos negócios, além de provocar uma reação 'feroz' das empresas produtoras no Congresso para que o tributo não seja aprovado.

Essas são as principais conclusões de analistas e entidades após o anúncio feito ontem pelos ministérios da Fazenda e das Minas e Energia. A expectativa do chefe da equipe econômica do governo petista, Fernando Haddad, é que o novo imposto — que será cobrado por quatro meses com uma alíquota inicial de 9,2% — possa arrecadar R$ 6,6 bilhões este ano, ajudando a compensar a reoneração parcial dos combustíveis com a volta do PIS/Cofins e Cide.

Frederico Nobre, líder da área de análise de ações na Warren, diz que o novo imposto preocupa e aumenta a percepção de risco do setor porque 'não existe nada menos provisório do que aumento de imposto, especialmente no Brasil'.

Muito desse risco já foi precificado nas ações de empresas do setor ontem. Os papéis da PetroRio caíram mais de 9%, da 3R Petroleum recuaram quase 7% e os da PetroReconcavo perderam 6%.

Rodrigo Pizarro, CFO da 3R Petroleum, disse em evento do setor nesta manhã que a proposta de imposto sobre exportação tem impacto generalizado sobre o setor, mas em ordem de grande diferente dependendo da empresa. "Provisório ou duradouro, o imposto tem impacto na capacidade de investimento, reduz a atratividade do setor e gera insegurança jurídica", afirmou, lembrado que a exportação de petróleo não é a única fonte de receita da empresa.

Procuradas, as demais empresas não se manifestaram sobre o novo imposto.

Para Nobre, da Warren, como se se trata de um setor importante para a economia brasileira, essas empresas certamente vão tentar ser ativas no Congresso para tentar que o imposto seja provisório. No médio e longo prazo, todo mundo sai perdendo se o imposto se perpetuar.

"Esse é um setor muito importante para o Brasil e deve ser o argumento mais usado pelas empresas no Congresso", diz Nobre.

Segundo o Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), primeira entidade a se manifestar contra a medida, a cadeia de óleo e gás representa cerca de 15% do PIB industrial e tem uma estimativa de geração de mais de 445 mil postos de trabalho diretos ou indiretos ao ano na próxima década.

No mesmo período, estão estimados investimentos de cerca de US$ 180 bilhões. As exportações de petróleo são o terceiro item mais importante da balança comercial brasileira, sendo responsável por um superávit de US$ 65 bilhões nos últimos quatro anos.

Impacto sobre investimentos

Em comunicado, o IBP avaliou que, mesmo de forma temporária, o imposto poderá impactar a competitividade do país a médio e longo prazos, além de afetar a credibilidade nacional em relação à estabilidade das regras no ambiente de negócios.

"A criação desse novo imposto também afeta as perspectivas de aumento da produção de petróleo, uma vez que o produto será onerado e sofrerá uma maior concorrência de países que não tributam a commodity", escreveu o IBP no comunicado.

O instituto avalia que a novidade pode atrasar ou mesmo cancelar decisões de investimento em exploração e produção de petróleo, com efeito negativo na arrecadação de tributos federais e estaduais e na geração de empregos.

Os analistas do banco Goldman Sachs estimam que apenas a PetroRio tem uma exposição significativa à exportação de petróleo bruto em sua produção. No caso da empresa, se o imposto for aprovado, o Goldman Sachs estima uma queda de 9% na receita e uma queda de 3% a 4% no lucro líquido. Para a Petrobras, o imposto teria um impacto na receita de aproximadamente 1% do EBITDA (lucro antes de juros, impostos amortizações), pouco mais de R$ 3 bilhões.

Efeito de caixa duvidoso

Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, diz que o imposto “alternativo” não deverá gerar o efeito de arrecadação pretendido, já que um tributo temporário "gera uma postergação de negócios, ainda mais em commodities globalizadas".

"Em outras palavras, o petróleo tem mais valor em estoque do que sendo exportado, tendo em vista a perspectiva de receita futura após a remoção do imposto em quatro meses",  afirmou o economista.

Nesta quarta, em entrevista ao portal UOL, Haddad justificou a medida:

"(O Imposto de Exportação) É uma solução de transição. As empresas estão com lucros extraordinários por causa do aumento dos preços do petróleo. São lucros exorbitantes. E pagam poucos impostos, na minha opinião. Então é uma solução provisória para a gente “fasear” a reoneração e o Congresso é que vai dar a palavra final. Tudo dá ruído, mas acho que acomoda, a gente vai explicando e as coisas vão ficando mais transparentes", afirmou.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Haddad vai defender tributação de 'super-ricos' em evento do G20 nos EUA
Economia

Haddad vai defender tributação de 'super-ricos' em evento do G20 nos EUA

Há 6 horas

CAE do Senado aprova texto-base do PL que amplia faixa de isenção do IR
Brasil

CAE do Senado aprova texto-base do PL que amplia faixa de isenção do IR

Há 8 horas

Assembleia da Oi adiada, prévia da Tenda e recuperação do Petróleo: os assuntos que movem o mercado
seloMercados

Assembleia da Oi adiada, prévia da Tenda e recuperação do Petróleo: os assuntos que movem o mercado

Há 11 horas

Petróleo é negociado no maior valor em cinco meses
seloMercados

Petróleo é negociado no maior valor em cinco meses

Há 13 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais