Economia

Haddad fala sobre recado de Lula para reforçar diálogo com o Congresso: 'Eu só faço isso da vida'

Mais cedo, presidente disse que ministro deveria abdicar de leituras para ter mais conversas com parlamentares

Diálogo com Congresso: veja os esforços de Lula e de Haddad (Diogo Zacarias/MF/Flickr/Divulgação)

Diálogo com Congresso: veja os esforços de Lula e de Haddad (Diogo Zacarias/MF/Flickr/Divulgação)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 22 de abril de 2024 às 19h18.

Tudo sobreFernando Haddad
Saiba mais

Após cobranças do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que pediu mais conversas de ministros com o Congresso, o titular da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que “só faz isso da vida”. Em rápida conversa com jornalistas na saída da pasta, Haddad falou sobre o assunto.

"Eu só faço isso da vida", disse, em referência às tratativas de pautas do governo com o Congresso.

Em meio à crise climática, Haddad pede recursos a bancos multilaterais

Em meio a impasses na articulação política do governo e a gestação de “pautas-bomba” no Legislativo, Lula afirmou, em evento de lançamento do programa de crédito “Acredita”, que seus ministros precisam passar mais tempo dialogando com parlamentares.

"Isso significa que o (vice-presidente) Alckmin tem que se mais ágil, tem que conversar mais. O Haddad, ao invés de ler um livro, tem que perder algumas horas conversando no Senado e na Câmara. O Wellington (Dias, ministro do Desenvolvimento e Assistência Social) o Rui Costa (da Casa Civil), passar maior parte do tempo conversando com bancada A, com bancada B", declarou o presidente nesta segunda.

Episódio 'superado'

No mais recente embate entre o Executivo e o Legislativo, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que o ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, responsável pela articulação com o Congresso, era “incompetente” e um “desafeto pessoal”. Nesta segunda, o ministro disse, em entrevista à CNN, que o episódio está “absolutamente superado”.

O governo vem enfrentando batalhas no Congresso para aprovar medidas de aumento de arrecadação ou para barrar projetos que têm forte impacto no caixa da União. O mais recente revés foi a aprovação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado de Projeto de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece aumento de 5% nos vencimentos de juízes e promotores, a cada cinco anos, o chamado “quinquênio”.

Segundo o governo, o impacto da medida pode chegar a R$ 42 bilhões por ano. O valor vai depender de quais categorias serão incluídas ao final da tramitação, como por exemplo a dos aposentados.

Reforma tributária

Outro tema fundamental em que o governo precisa de colaboração do Congresso é na regulamentação da reforma tributária. Haddad está reunido com o presidente Lula para definir detalhes finais dos projetos. Segundo o ministro, o presidente precisa bater o martelo em dois pontos.

"Precisamos fechar dois pontos que a Casa Civil pediu para despachar com o presidente para que esta semana possamos encaminhar para o Congresso".

Acompanhe tudo sobre:Fernando HaddadLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Economia

Após pedido do governo, Zanin suspende liminar que reonera a folha de pagamentos por 60 dias

Haddad: governo anuncia na próxima semana medidas sobre impacto e compensação da desoneração

Fiergs pede ao governo Lula flexibilização trabalhista e novas linhas de crédito ao RS

É possível investir no exterior morando no Brasil?

Mais na Exame