Economia

Haddad cita boas relação com EUA e China mas vê potencial brasileiro subestimado pelos dois

Ministro afirmou que não percebeu sinais de desprezo por parte de Biden ou Xi Jinping

Fernando Haddad, ministro da Fazenda ( Hollie Adams/Bloomberg/Getty Images)

Fernando Haddad, ministro da Fazenda ( Hollie Adams/Bloomberg/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 5 de abril de 2024 às 20h58.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, frisou que o Brasil mantém relações boas com Estados Unidos e China, mas ponderou que vê o potencial brasileiro subestimado pelos dois países.

"Em nenhum momento de conversa de Lula com Xi Jinping ou Biden pareceu desprezo pelo Brasil, mas a subestimação do potencial de parceria parece notável", disse o ministro, em evento da revista digital Phenomenal World.

A Alemanha, por outro lado, citou Haddad, tem um olhar hoje para a América do Sul com um apetite benéfico para os dois lados. O país, afirmou, vê o Brasil como um fornecedor de energia limpa, mas também como um parceiro que pode se reindustrializar sob premissas sustentáveis.

Haddad ponderou que o momento brasileiro ainda inspira cuidados, mas se tudo correr bem, o médio e longo prazo prometem ser bons para o País. "O Brasil vive riscos de solavancos de curto prazo, ainda temos um ambiente político interno que inspira muitos cuidados", disse o ministro, que defendeu que as instituições precisam estar mais afiadas. "Tivemos um bom 2023 desse ponto de vista, gostaria de chegar em 2024 com a mesma sensação."

Ainda sobre o cenário global atual, Haddad o classificou como desafiador e em certo sentido aterrorizante ao destacar o grau de novidade atrelado ao conflito entre Estados Unidos e China.

"A Rússia não podia fazer frente aos Estados Unidos do ponto de vista econômico e o Japão não podia fazer frente ao militar. Essa é a exclusividade do momento que estamos vendo", analisou o ministro, que salientou que ambos os países são parceiros importantes do Brasil.

Acompanhe tudo sobre:Fernando HaddadMinistério da FazendaChinaEstados Unidos (EUA)

Mais de Economia

Dia da Indústria: setor busca modernização, com inovação e compromisso sustentável

Campos Neto vê 'notícia ruim' em projeções de inflação

País pode ter inflação maior que o esperado por causa da tragédia climática no RS, diz Campos Neto

Dívidas sobem 17%, e governo terá de pagar R$ 70,7 bilhões em precatórios em 2025

Mais na Exame