Greve dos caminhoneiros pode fazer PIB crescer só 0,77% em 2019

Projeção de crescimento menor do PIB é do economista-chefe da Necton, André Perfeito

São Paulo — A lentidão da atividade econômica neste início de ano, frustrando analistas e provocando revisões para baixo das estimativas para o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), pode sofrer um golpe adicional, caso os caminhoneiros façam uma paralisação do mesmo alcance da greve do ano passado, avalia o economista-chefe da Necton, André Perfeito.

"O potencial estrago de uma greve dos caminhoneiros no PIB do segundo trimestre poderia levar a economia brasileira a míseros 0,77% de alta neste ano", indica o economista, em nota a clientes.

A Necton revisou para baixo a projeção de alta do PIB do primeiro trimestre, de 0,28% para 0,15%, o que leva o PIB fechado do ano a uma alta de 1,06%, relata Perfeito. "Para atingirmos 1,06%, projetamos alta de 0,28% no segundo trimestre, seguido de altas de 0,4% e 0,5%, respectivamente", explica, antes de detalhar o impacto potencial de uma nova paralisação.

"Em 2018, o efeito da greve aconteceu no final de maio, castigando fortemente o PIB industrial", lembra o economista, citando a desaceleração do PIB, de 0,41% no primeiro trimestre para 0,05% no trimestre seguinte à paralisação. "Assumindo de forma bastante conservadora que o efeito nas Contas Nacionais seja 30% menor do que o registrado em 2018 e que após o choque o PIB volte a crescer, o indicador do segundo trimestre recuaria 0,15% e depois subiria 0,4% e 0,5% (mesmo ritmo do cenário base), o PIB fecha 2019 em 0,77%", calcula Perfeito.

O economista-chefe da Necton aponta ainda que, por mais que faltem sinais e movimentações mais sérias dos caminhoneiros em relação a uma possível greve, ao menos por ora, "a queda da atividade seria abrupta o suficiente para forçar o BC a cortar os juros já neste ano".

Aumento de 10 centavos

Nesta quarta-feira, 17, a Petrobras anunciou um aumento de 10 centavos no litro do diesel. O reajuste dividiu a categoria e uma parte dos caminhoneiros defende paralisação. Na última semana, a Petrobras decidiu suspender o aumento do combustível após questionamentos do presidente Jair Bolsonaro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.