Acompanhe:

Governo zera imposto para compras internacionais online de até US$ 50; entenda o que muda

A regra de isenção nas compras de até US$ 50 valia exclusivamente para remessas entre pessoas físicas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Impostos: A regra de isenção nas compras de até US$ 50 valia exclusivamente para remessas entre pessoas físicas (Jade Gao/AFP/Getty Images)

Impostos: A regra de isenção nas compras de até US$ 50 valia exclusivamente para remessas entre pessoas físicas (Jade Gao/AFP/Getty Images)

O Ministério da Fazenda, Fernando Haddad, assinou uma portaria publicada nesta sexta-feira, 30, que estabelece uma alíquota zerada do imposto de importação sobre compras no comércio eletrônico internacional de até US$ 50. A medida só vale para empresas que atenderem o plano de conformidade do governo, ou seja, que estiverem em dia com suas obrigações tributárias.

A regra de isenção nas compras de até US$ 50 valia exclusivamente para remessas entre pessoas físicas. Agora, passa a valer de empresa para consumidores. As compras online de até US$ 50, realizadas em empresas que não cumprirem com suas obrigações, continuarão sendo taxadas.

A medida começa a valer a partir do dia primeiro de agosto para todas as empresas de comércio eletrônico, nacional ou estrangeira "Fica reduzida para 0% a alíquota do Imposto de Importação incidente sobre os bens integrantes de remessa postal ou de encomenda aérea internacional no valor de até US$ 50,00, ou o equivalente em outra moeda, destinados a pessoa física, desde que as empresas atendam aos requisitos do programa de conformidade, inclusive o recolhimento do tributo estadual incidente sobre a importação", cita a portaria da Fazenda.

Quais serão as regras do programa de imposto zero de compras internacionais?

  • fazer o repasse dos impostos cobrados;
  • detalhar para o consumidor informações sobre os valores de impostos, tarifas postais e demais despesas;
  • colocar no pacote enviado ao consumidor de maneira visível, no campo do remetente, a marca e o nome da empresa em questão;
  • realizar o combate ao descaminho e contrabando.

Efeito Shein

A portaria é anunciada mais de um mês após o Ministério da Fazenda e a Receita Federal afirmarem que iriam extinguir a isenção para o comércio internacional entre pessoas físicas no valor de até US$ 50. O governo defendeu que a regra era usada de forma irregular por varejistas internacionais, como Shein e Shoppe, que usavam a opção de pessoa física para não pagar impostos. 

Uma semana após o anúncio, o governo voltou atrás e afirmou que não iria acabar com a isenção. Haddad, na época, disse o governo iria criar regras para endurecer o comércio internacional irregular.

Em meio a polêmica, a Shein se reuniu com o governo e assumiu o compromisso de investir R$ 750 milhões no Brasil. A varejista irá passar a produzir 85% de seu portfólio com fabricantes locais e gerar até 100 mil empregos no país em três anos. Uma fábrica do Rio Grande do Norte vai começar a produzir roupas para vendas na empresa em julho. 

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Relator da PEC das Igrejas afirma que texto pode ser votado hoje em plenário
Brasil

Relator da PEC das Igrejas afirma que texto pode ser votado hoje em plenário

Há 23 horas

O que as 4 melhores varejistas omnichannel fazem para garantir sucesso de vendas na América Latina
Um conteúdo Bússola

O que as 4 melhores varejistas omnichannel fazem para garantir sucesso de vendas na América Latina

Há um dia

Lista de prioridades da Fazenda para o ano depende de cooperação do Congresso
Um conteúdo Esfera

Lista de prioridades da Fazenda para o ano depende de cooperação do Congresso

Há um dia

Sob escrutínio em Nova York, Shein considera IPO em Londres
seloMercados

Sob escrutínio em Nova York, Shein considera IPO em Londres

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais