Economia

Fórum Econômico Brasil Japão: Alckmin e Kishida selam fortalecimento de relações

Segundo o vice-presidente, a intenção para o futuro é de firmar parceria com o Japão nas mais diversas áreas, principalmente na área de biotecnologia

 ( Gabriel Lemes/MDIC/Flickr)

( Gabriel Lemes/MDIC/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 4 de maio de 2024 às 21h10.

O vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, destacou, durante abertura do Fórum Empresarial Brasil, junto com o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, em São Paulo, a boa relação entre os dois países.

"São 130 anos de amizade e cooperação", afirmou, completando que o encontro de Kishida com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ocorrido nesta sexta-feira, fez "crescer ainda mais essa parceria".

Segundo o vice-presidente, a intenção para o futuro é de firmar parceria com o Japão nas mais diversas áreas, principalmente na área de biotecnologia.

Alckmin também destacou a Reforma Tributária como algo que vai impulsionar o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e favorecer um cenário de exportação com o parceiro.Kishida destacou medidas do governo Lula que têm beneficiado a aproximação entre os governos.

"O governo Lula tem focado em neoindustrialização, aéreas como digitalização e economia verde, e tem desenvolvido uma histórica reforma tributária, visando uma simplificação e melhoria do ambiente de negócios, tudo isso sob os olhares atentos do empresariado japonês", disse.

O premiê também pontuou que o País é próspero em recursos alimentares, energéticos e minerais "e tem um papel significativo em um potencial extremamente grande em termos de cooperação entre os nossos dois países".

Acompanhe tudo sobre:Geraldo AlckminJapãoEconomia

Mais de Economia

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Opinião: Hidrogênio para a Neoindustrialização

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Mais na Exame