Acompanhe:

Fiesp apoia decisão de adiar retaliações comerciais aos EUA

Brasília - A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) apoiou a decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex) de suspender, até 2012, as retaliações comerciais aos Estados Unidos (EUA). As medidas seriam aplicadas em decorrência da condenação, pela Organização Mundial do Comércio (OMC), dos subsídios oficiais concedidos aos produtores norte-americanos de algodão. […]

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

R
Renata Giraldi

Publicado em 10 de outubro de 2010 às, 03h42.

Brasília - A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) apoiou a decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex) de suspender, até 2012, as retaliações comerciais aos Estados Unidos (EUA). As medidas seriam aplicadas em decorrência da condenação, pela Organização Mundial do Comércio (OMC), dos subsídios oficiais concedidos aos produtores norte-americanos de algodão. Em nota divulgada hoje (18), a Fiesp disse defender a busca por uma solução negociada.

Para a entidade, o ideal é buscar a redução gradual dos efeitos prejudiciais dos subsídios condenados pela OMC. Mas ressaltou que ainda estão pendentes definições importantes sobre os limites da revisão da política agrícola dos EUA.

"Em razão do caráter transitório do acordo, a Fiesp entende necessária a continuidade das negociações com o governo dos Estados Unidos para garantir o cumprimento integral das decisões da Organização Mundial do Comércio", diz o comunicado. "A entidade sempre defendeu a busca de solução negociada para evitar a aplicação de retaliações e, ao mesmo tempo, assegurar a proteção dos interesses brasileiros."

Ontem (18), a Camex determinou a suspensão das retaliações até a aprovação da nova lei agrícola em discussão no Congresso dos EUA. A previsão é concluir esta discussão em 2012. Ao condenar a política governamental de subsídios à produção norte-americana de algodão, a OMC autorizou o Brasil a retaliar os Estados Unidos em até US$ 830 milhões por ano. Deste total, US$ 591 milhões são referentes a produtos e o restante, US$ 240 milhões, à propriedade intelectual.

Últimas Notícias

Ver mais
Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço
Mundo

Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço

Há 5 horas

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown
Mundo

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown

Há 19 horas

PWC: 69% dos CEOs do agronegócio estão otimistas com crescimento da economia
EXAME Agro

PWC: 69% dos CEOs do agronegócio estão otimistas com crescimento da economia

Há 21 horas

Os canais de Suez e do Panamá estão na mínima histórica de comércio. Como isso afeta o mundo?
Mundo

Os canais de Suez e do Panamá estão na mínima histórica de comércio. Como isso afeta o mundo?

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais