Economia

Fed destaca incertezas na economia dos EUA e possível aperto adicional nas condições de crédito

A ata da última reunião do Federal Reserve revela preocupações dos dirigentes com a economia americana e ressalta a atenção aos riscos de inflação e taxas de juro

Dirigentes do Fed veem incerteza na economia dos EUA e discutem inflação e taxa de juro (Samuel Corum / Bloomberg/Getty Images)

Dirigentes do Fed veem incerteza na economia dos EUA e discutem inflação e taxa de juro (Samuel Corum / Bloomberg/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 5 de julho de 2023 às 16h35.

Última atualização em 5 de julho de 2023 às 16h41.

A maioria dos dirigentes do Federal Reserve (Fed) destacou que observa incerteza na economia americana, em meio à política restritiva do banco central americano e com a possibilidade de aperto adicional nas condições de crédito devido à turbulência recente no setor bancário. A informação consta na ata da última decisão de política monetária da instituição, divulgada nesta quarta-feira, 5.

Sobre o sistema financeiro, os dirigentes apontam que os bancos são sólidos e resilientes, mas a maioria acredita que é necessário observar de perto o possível aperto, apesar de os efeitos do acontecimento seguirem incertos. Ainda, os dirigentes apontam que a atividade econômica continuou a expandir em ritmo moderado nos últimos meses, com ganhos de emprego robustos, enquanto o desemprego continuou baixo.

Inflação

Os dirigentes concordaram que permaneceram extremamente atentos aos riscos de inflação nos Estados Unidos, que se manteve elevada, segundo ata da última reunião monetária do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês). Os participantes do encontro ressaltaram que, com o fortalecimento apropriado da política monetária, expectativas de inflação de longo prazo bem ancoradas apoiariam um retorno da inflação à meta de 2% de longo prazo do Comitê ao longo do tempo.

Todos os dirigentes afirmaram que estão fortemente comprometidos em retornar a inflação ao seu objetivo de 2%, de acordo com o documento. A inflação diminuiu desde meados do ano passado, refletindo quedas nos preços de energia ao consumidor, o que suavizou a inflação dos preços de alimentos, mas leituras recentes para o núcleo da inflação de preços do índice de gastos de consumo (PCE, na sigla em inglês) pouco mudaram, apontaram o dirigentes, sinalizando que esta é uma medida menos volátil.

Taxa de juro

Alguns dirigentes indicaram que eram a favor de aumentar a faixa-alvo dos Fed funds em 25 pontos-base na última reunião ou que poderiam ter apoiado tal proposta. Na ocasião, a autoridade manteve as taxas após dez elevações seguidas. As informações constam na ata do evento, divulgada nesta quarta-feira, 5. Segundo o documento, os participantes a favor de um aumento de 25 pontos observaram que o mercado de trabalho permaneceu muito apertado, o ímpeto da atividade econômica foi mais forte do que o previsto anteriormente e que havia poucos sinais claros de que a inflação estava a caminho de retornar ao objetivo de 2% do Comitê.

Quase todos os participantes do encontro notaram que, em suas projeções econômicas, eles julgaram que aumentos adicionais na taxa dos Fed funds durante 2023 seriam apropriados, segundo a ata. Todos os dirigentes continuaram antecipando que, com a inflação ainda bem acima da meta de 2% do Comitê e o mercado de trabalho permanecendo muito apertado, a manutenção de uma postura restritiva da política monetária seria adequada para atingir os objetivos do Comitê, diz a ata.

A maioria dos participantes da reunião observou que deixar a taxa inalterada lhes daria mais tempo para avaliar o progresso da economia em direção às metas do Comitê de máximo emprego e estabilidade de preços. Os dirigentes concordaram que suas decisões em cada reunião continuariam se baseando na totalidade das informações recebidas e suas implicações para as perspectivas econômicas, bem como o equilíbrio dos riscos.

Expansão da economia

A equipe técnica (staff) do Federal Reserve (Fed) analisou que existe possibilidade de que a economia dos Estados Unidos continue expandindo e evite uma crise forte ⏤ e esta chance teria probabilidade quase semelhante ao cenário atualmente previsto, de recessão leve no final do ano. A análise foi revelada pela ata da última reunião monetária, divulgada nesta quarta-feira, 5.

A equipe, contudo, manteve seu cenário base de que os efeitos do aperto nas condições de crédito bancário, somados à política monetária restritiva, devem levar a uma desaceleração no crescimento do produto interno bruto (PIB) neste e no próximo trimestre. No quarto trimestre, a economia apresentaria contração e continuaria caindo no primeiro trimestre de 2024, o que configuraria recessão no país. Após este período, os Estados Unidos teriam recuperação moderada na atividade econômica entre 2024 e 2025.

Também de acordo com o documento, a taxa de desemprego deve subir neste ano, atingir pico em 2024 e manter este nível até 2025.

A equipe ainda reiterou que os riscos de inflação elevada e persistente são predominantes nas projeções para os Estados Unidos, tendo maior probabilidade do que os cenários de inflação baixa nos próximos meses.

Os técnicos inda preveem que os efeitos de um esperado aperto maior nas condições de crédito bancário, em meio a condições financeiras já apertadas, devem levar a uma recessão moderada a partir do quarto trimestre deste ano.

Acompanhe tudo sobre:Estados brasileirosFed – Federal Reserve SystemJurosInflação

Mais de Economia

Em 4 anos, rotas de integração vão ligar Brasil à Ásia, prevê Tebet

Anatel poderá retirar do ar sites de e-commerce por venda de celulares irregulares

Carteira assinada avança, e número de trabalhadores por conta própria com CNPJ recua

Em 2023, emprego foi recorde e número de trabalhadores com ensino superior chegou a 23,1%

Mais na Exame