• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Em decisão complexa, BC reduz Selic em 0,50 ponto e taxa vai a 3,75%

A instituição começou a semana sob pressão por novos cortes após ofensida do Fed nos EUA
 (Reuters/Adriano Machado)
(Reuters/Adriano Machado)
Por Ligia TuonPublicado em 18/03/2020 18:07 | Última atualização em 18/03/2020 19:10Tempo de Leitura: 6 min de leitura

Em uma das mais complexas decisões da sua história, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) anunciou nesta quarta-feira, 18, um corte de 0,50 ponto percentual na taxa Selic, que foi de 4,25% ao ano a 3,75%. A decisão foi unânime e era esperada por grande parte do mercado.

Em seu comunicado, o comitê ressalta que, se por um lado, o nível de ociosidade da economia — agravado pela pandemia de coronavírus no munco —, pressiona a inflação para baixo, de outro, a deterioração do cenário externo ou frustrações em relação à continuidade das reformas de ajuste fiscal podem fazer a pressão oposta nos preços.

"Aalterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas têm o potencial de elevar a taxa de juros estrutural da economia. Nessa situação, relaxamentos monetários adicionais podem tornar-se contraproducentes se resultarem em aperto nas condições financeiras".

Nesse trecho, fica clara a sinalização do comitê, na opinião de André Perfeito, economista-chefe da Necton, sobre sua intenção não só de encerrar o ciclo de cortes, como de, eventualmente, anunciar novas altas nos juros.

"Damos como certo que não há clima algum para se fazer as reformas estruturais da economia brasileira agora, a agenda política e o coronavírus impedem acordo sobre isso neste momento. Logo, o BCB irá parar de cortar a taxa básica", diz Perfeito em nota.

A opinião sobre o encerramento nos cortes, porém, não é unânime. Para a Guide Investimentos, o Copom voltou a enfatizar a importância de manter a cautela na condução da política monetária mas, diferente da última reunião, deixou as portas abertas para futuros cortes ao mencionar que "o Comitê reconhece que se elevou a variância do seu balanço de riscos e novas informações sobre a conjuntura econômica serão essenciais para definir seus próximos passos."

A corretora ressalta ainda o fato de o comitê ter mencionado no comunicado que fará uso de todo seu arsenal de políticas cambiais, monetárias e de estabilidade financeira para lidar com a atual crise.

O BC começou a semana sob pressão por novos cortes na Selic, após o Fed, banco central dos Estados Unidos, anunciar no domingo a sua segunda redução emergencial na taxa de juros americana em menos de 12 dias, fazendo com que a banda fique próxima de zero. Assim como outros países, os EUA tomaram a decisão para aumentar a liquidez no mercado em meio à crise gerada pelo avanço de coronavírus no mundo.

Quado se reuniu pela última vez para decidir sobre a Selic, em fevereiro, o comitê sinalizou que encerraria o ciclo de cortes - iniciado em julho de 2019, quando a taxa estava em 6,5% -, mas o cenário mudou bastante desde então com a pandemia, que mudou as perspectivas da política monetária dos bancos centrais.

A pandemia ameaça o comércio internacional, o turismo, decisões de gastos dos consumidores, os estoques da indústria e altera os fluxos de capital. "É uma camada extra de complexidade à política monetária brasileira", diz o Goldman Sachs em relatório desta quarta.

Veja o comunicado na íntegra:

Em sua 229ª reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa Selic para 3,75% a.a.

A atualização do cenário básico do Copom pode ser descrita com as seguintes observações:

No cenário externo, a pandemia causada pelo novo coronavírus está provocando uma desaceleração significativa do crescimento global, queda nos preços das commodities e aumento da volatilidade nos preços de ativos financeiros. Nesse contexto, apesar da provisão adicional de estímulo monetário pelas principais economias, o ambiente para as economias emergentes tornou-se desafiador;

Dados de atividade econômica divulgados desde a última reunião do Copom vinham em linha com o processo de recuperação gradual da economia brasileira. Entretanto, esses dados ainda não refletem os impactos da pandemia de COVID-19 na economia brasileira;

O Comitê avalia que diversas medidas de inflação subjacente se encontram em níveis compatíveis com o cumprimento da meta para a inflação no horizonte relevante para a política monetária;

As expectativas de inflação para 2020, 2021 e 2022 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 3,1%, 3,65% e 3,5%, respectivamente;

No cenário híbrido, com trajetória para a taxa de juros extraída da pesquisa Focus e taxa de câmbio constante a R$4,75/US$*, as projeções do Copom situam-se em torno de 3,0% para 2020 e 3,6% para 2021. Esse cenário supõe trajetória de juros que encerra 2020 em 3,75% a.a. e se eleva até 5,25% a.a. em 2021; e

No cenário com taxa de juros constante a 4,25% a.a. e taxa de câmbio constante a R$4,75/US$*, as projeções situam-se em torno de 3,0% para 2020 e 3,6% para 2021.

O Comitê ressalta que, em seu cenário básico para a inflação, permanecem fatores de risco em ambas as direções.

Por um lado, o nível de ociosidade pode produzir trajetória de inflação abaixo do esperado. Esse risco se intensifica caso um agravamento da pandemia provoque aumento da incerteza e redução da demanda com maior magnitude ou duração do que o estimado.

Por outro lado, o aumento da potência da política monetária, a deterioração do cenário externo ou frustrações em relação à continuidade das reformas podem elevar os prêmios de risco e gerar uma trajetória da inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária.

Considerando o cenário básico, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, para 3,75% a.a.

O Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante, que inclui o ano-calendário 2020 e, principalmente, de 2021.

O Copom reitera que a conjuntura econômica prescreve política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural.

O Copom enfatiza que perseverar no processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira é essencial para permitir a recuperação sustentável da economia. O Comitê ressalta, ainda, que questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas têm o potencial de elevar a taxa de juros estrutural da economia. Nessa situação, relaxamentos monetários adicionais podem tornar-se contraproducentes se resultarem em aperto nas condições financeiras.

O Copom entende que a atual conjuntura prescreve cautela na condução da política monetária, e neste momento vê como adequada a manutenção da taxa Selic em seu novo patamar. No entanto, o Comitê reconhece que se elevou a variância do seu balanço de riscos e novas informações sobre a conjuntura econômica serão essenciais para definir seus próximos passos.

O Banco Central do Brasil ressalta que continuará fazendo uso de todo o seu arsenal de medidas de políticas monetária, cambial e de estabilidade financeira no enfrentamento da crise atual.

Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Roberto Oliveira Campos Neto (presidente), Bruno Serra Fernandes, Carolina de Assis Barros, Fábio Kanczuk, Fernanda Feitosa Nechio, João Manoel Pinho de Mello, Maurício Costa de Moura, Otávio Ribeiro Damaso e Paulo Sérgio Neves de Souza.