Economia

Dirigente do Fed reforça que não há pressa para reduzir juros nos EUA

Apesar de agentes verem progresso na inflação dos Estados Unidos, reiteram que a alta de preços segue muito acima da meta

Fed: dirigentes dizem que não há pressa para reduzir juros (Ting Shen/Bloomberg via/Getty Images)

Fed: dirigentes dizem que não há pressa para reduzir juros (Ting Shen/Bloomberg via/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 16 de abril de 2024 às 07h32.

A presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) de São Francisco, Mary Daly, vê progresso na inflação dos Estados Unidos, mas reitera que a alta de preços segue muito acima da meta, e que não há pressa para reduzir os juros, visto que a economia norte-americana segue aquecida e resiliente, com crescimento sólido e mercado de trabalho forte.

Ela destaca também que o Fed segue observando os desdobramentos recentes de dados econômicos e de conflitos geopolíticos, mas que, por ora, as tensões entre Israel e Irã parecem não respingar na inflação norte-americana.

Em evento da Universidade de Stanford na segunda-feira, 15, a líder da distrital de São Francisco - que tem direito a voto nas decisões do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) - disse que os últimos dados do payroll (relatório de emprego) foram "incríveis", e que dão mais calma ao Fed.

"A pior coisa que podemos fazer é acelerar uma resposta, agora que não é preciso agir tão rápido", defende Mary Daly, ao pontuar que "imprevistos" inflacionários no meio do caminho não são surpreendentes e são, até mesmo, esperados.

A dirigente do Fed explica também que acredita que as taxas de juros neutras estão entre 0,5% e 1% na economia norte-americana, embora não seja possível mensurar. Porém, a resiliência econômica vem dando indícios de que é possível que a taxa neutra esteja mais elevada.

Acompanhe tudo sobre:Fed – Federal Reserve SystemEstados Unidos (EUA)Juros

Mais de Economia

Dia da Indústria: setor busca modernização, com inovação e compromisso sustentável

Campos Neto vê 'notícia ruim' em projeções de inflação

País pode ter inflação maior que o esperado por causa da tragédia climática no RS, diz Campos Neto

Dívidas sobem 17%, e governo terá de pagar R$ 70,7 bilhões em precatórios em 2025

Mais na Exame