Economia

Devedores do FGTS inscritos na dívida ativa terão prazo de 180 meses para pagar débitos

Dívida ativa do FGTS atingiu R$ 47,3 bilhões em 2022, envolvendo 245 mil empresas

FGTS: parcelamento da dívida pode ser parcelado em até 180 meses (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

FGTS: parcelamento da dívida pode ser parcelado em até 180 meses (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 25 de julho de 2023 às 16h57.

Última atualização em 25 de julho de 2023 às 17h13.

Para facilitar as negociações dos devedores do FGTS, o Conselho Curador do Fundo aprovou, nesta terça-feira, 25, pedido da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) para parcelar o pagamento da dívida em até 180 meses.

Segundo relatório apresentado pelo órgão ao colegiado, a dívida ativa do FGTS atingiu R$ 47,3 bilhões em 2022. Estão na lista 245 mil empresas. 

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo em primeira mão. Inscreva-se no Telegram da Exame

Do total, a PGFN estima que apenas R$ 12 bilhões podem ser recuperados, o que representa 25,6% do total. Os R$ 35 bilhões restantes (74,4%) são considerados de difícil ou impossível recuperação porque se referem a empresas que já faliram, são inexistentes ou em que a PFGN enfrenta problemas para transferir a dívida para os proprietários, pessoa física, nos processos judiciais.

Nos últimos cinco anos, o estoque da dívida era de R$ 30,3 bilhões. Ou seja, subiu 56,1%. Nesse período, foram recuperados R$ 2,2 bilhões. O prazo médio de recuperação é de 47 meses.

A PFGN pediu aos conselheiros o mesmo prazo de pagamento oferecido pela Caixa Econômica Federal nos processos administrativos, de 180 dias.

Em 2021, a Caixa recuperou R$ 475,7 milhões e, no ano passado, R$ 583,9 milhões, aumento de 22,8%. Foram beneficiados no período 1,8 milhão de trabalhadores. em 2022.

Acompanhe tudo sobre:FGTSeconomia-brasileiraCaixa

Mais de Economia

Após enchentes, Rio Grande do Sul perde 25% da arrecadação no ICMS

FMI prevê contração de 3,5% da economia argentina, mas menor inflação em 2024

Itaipu inaugura unidade de produção de petróleo sintético com energia limpa

Haddad e Tebet relatam preocupação de Lula com aumento de subsídios

Mais na Exame