Acompanhe:

Custo de vida tem alta de 0,34% em junho na capital paulista

As maiores altas foram registradas nos grupos habitação (0,86%), saúde (0,49%) e transporte (0,48%)

Modo escuro

Continua após a publicidade

	São Paulo: o grupo equipamentos domésticos foi o único a apresentar deflação, com taxa de -0,29%.
 (Paulo Fridman/EXAME.com)

São Paulo: o grupo equipamentos domésticos foi o único a apresentar deflação, com taxa de -0,29%. (Paulo Fridman/EXAME.com)

C
Camila Maciel

Publicado em 5 de julho de 2013 às, 12h44.

São Paulo - O custo de vida na capital paulista medido pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socieconômicos (Dieese) teve variação de 0,34% em junho. A taxa é 0,27 ponto percentual menor que a verificada em maio, quando o Índice do Custo de Vida (ICV) ficou em 0,61%. As maiores altas foram registradas nos grupos habitação (0,86%), saúde (0,49%) e transporte (0,48%).

As despesas com locação, impostos e condomínio e operação do domicílio, que integram o grupo habitação, tiveram taxas semelhantes, com 0,06% e 0,10% respectivamente. O subgrupo conservação, por outro lado, teve alta de 4,97%, refletindo especialmente o custo da mão de obra da construção civil (8,9%).

No grupo saúde, a alta no preço dos seguros e convênios (0,68%) e dos exames laboratoriais (0,8%) elevou o custo da assistência médica, que alcançou 0,61%. Em contrapartida, as despesas com medicamentos e produtos farmacêuticos ficaram relativamente estáveis, com pequeno decréscimo de 0,03%.

Apesar da revogação do aumento da tarifa de ônibus no município, o que provocou a redução de R$ 3,20 para R$ 3 no valor das passagens urbanas, o preço reajustado foi aplicado nas três primeiras semanas do mês, pressionando a inflação do grupo transporte (0,48%). O custo com transporte coletivo no mês teve alta de 4,31%. Já o transporte individual teve queda de 1,26%. O decréscimo nesse subgrupo, de acordo com o Dieese, tem relação com a diminuição do preço dos combustíveis (-2,46%).


O grupo alimentação (0,01%) praticamente não variou no mês de junho. As despesas com alimentação fora do domicílio (0,79%) foram equilibradas pela variação negativa no subgrupo de alimentos in natura e semielaborados (-0,45%). O maior decréscimo entre os alimentos naturais ocorreu no preço dos legumes (-4,92%), seguido por aves e ovos (-3,29%).

O grupo equipamentos domésticos foi o único a apresentar deflação, com taxa de -0,29%. Três dos quatro itens que compõem esse item tiveram variação negativa: eletrodomésticos (-0,08%), móveis (-1%) e rouparia (-0,11%). Apenas o item utensílios teve acréscimo de 0,47%.

No cálculo do ICV, o Dieese apura ainda o peso da inflação para três faixas de renda. Em junho, as famílias mais pobres, com renda média de R$ 377,49, tiveram inflação de 0,42%. Entre as famílias com rendimento intermediário (R$ 934,17), o percentual cai para 0,41%. As de maior poder aquisitivo (R$ 2.792,90), por sua vez, sentiram menos a alta nos preços, com taxa de 0,31%.

Últimas Notícias

Ver mais
Vai chover em São Paulo? Veja a previsão do tempo
Brasil

Vai chover em São Paulo? Veja a previsão do tempo

Há 12 horas

São Paulo promove nesta sexta-feira Dia D contra a Dengue
Brasil

São Paulo promove nesta sexta-feira Dia D contra a Dengue

Há 3 dias

Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos
Economia

Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos

Há 3 dias

Prefeito de São Paulo bate boca com moradores em vistoria de obra na Vila Mariana, na Zona Sul
Brasil

Prefeito de São Paulo bate boca com moradores em vistoria de obra na Vila Mariana, na Zona Sul

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais