Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Crise de energia na China e Índia dá sinais de alívio

A oferta de carvão, principal fonte de geração de eletricidade na China e na Índia, volta a aumentar depois que os governos pressionaram mineradoras a elevar a produção

Por David Stringer, da Bloomberg

A crise de energia em duas das principais economias da Ásia, que causou cortes de eletricidade e ameaçou um crescimento mais lento, começa a dar sinais de alívio, embora os riscos permaneçam.

A oferta de carvão, principal fonte de geração de eletricidade na China e na Índia, volta a aumentar depois que os governos pressionaram mineradoras a elevar a produção. Isso permite que usinas de energia e grandes consumidores industriais comecem a repor estoques.

No domingo, a maior operadora de redes da China confirmou que a oferta e a demanda voltaram a se equilibrar em sua área de cobertura, que corresponde a cerca de 88% do território chinês, embora as restrições continuem para algumas indústrias de alto consumo e muito poluentes em determinadas províncias. Os preços da energia à vista caíram na Índia, também em reação ao alívio da escassez de eletricidade também foram resolvidas.

“Os dois países continuam enfrentando alguns riscos para o abastecimento no inverno, mas a escassez foi amenizada”, disse Xizhou Zhou, diretor-gerente de energia global e renovável da IHS Markit, em Washington.

Os preços globais do carvão caíram nas últimas semanas depois de atingirem recordes diante da oferta apertada, impulsionando os lucros de mineradoras como Glencore e China Shenhua Energy. O carvão térmico de alta qualidade no porto de Newcastle, na Austrália - uma referência na Ásia, região que é o maior mercado para o combustível - acumula baixa superior a 30% desde o mês passado. Os contratos futuros de carvão térmico na China perderam quase 50% desde o forte aumento em meados de outubro.

A mudança no cenário de energia da região segue uma onda de intervenções governamentais. Tanto a China quanto a Índia pressionaram mineradoras estatais a acelerar a produção de carvão. Autoridades em Pequim também tomaram medidas para limitar os preços do combustível, eliminar algumas taxas fixas de eletricidade, reduzir as exportações da commodity e aumentar as compras de carvão, gás e diesel do exterior.

Essa corrida para elevar a oferta de combustíveis fósseis também chamou a atenção para o aumento das emissões globais de gases de efeito estufa este ano, e no amplo desafio da Índia e da China para reformarem seus sistemas de energia e cumprirem as metas de redução de emissões detalhadas nos últimos dias durante a cúpula climática COP26.

A produção diária de carvão da China aumentou em mais de 1 milhão de toneladas nas últimas semanas, para cerca de 11,89 milhões de toneladas, e em breve devem ultrapassar a meta do governo de produção de 12 milhões de toneladas por dia. O aumento supera as expectativas e reduz significativamente o déficit de oferta, disseram analistas do Morgan Stanley como Sara Chan em relatório esta semana.

Os estoques de carvão nas usinas de energia da Índia aumentaram para 12,4 milhões de toneladas na sexta-feira frente à mínima de 7,2 milhões de toneladas no mês passado. Os principais consumidores industriais, cujo fornecimento de carvão foi limitado para priorizar usinas de energia, também dizem que as condições melhoraram.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também