Acompanhe:

Crescimento da economia se acelera, diz diretor do BC

Na divulgação, foi salientada ainda a expectativa de recorde na safra de grãos neste ano

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Previsões de mercado de Awazu apontam a continuidade da recuperação, com expansão prevista de 2,5%, 3,0%, 3,3% e 3,4%, respectivamente, nos quatro trimestres de 2013, em mesma comparação
 (Antonio Cruz/AGÊNCIA BRASIL)

Previsões de mercado de Awazu apontam a continuidade da recuperação, com expansão prevista de 2,5%, 3,0%, 3,3% e 3,4%, respectivamente, nos quatro trimestres de 2013, em mesma comparação (Antonio Cruz/AGÊNCIA BRASIL)

E
Eduardo Cucolo

Publicado em 15 de março de 2013 às, 16h48.

Brasília - A taxa de crescimento da economia brasileira está se acelerando, de acordo com dados apresentados nesta sexta-feira pelo diretor de Assuntos Internacionais e de Regulação do Sistema Financeiro do Banco Central (BC), Luiz Awazu Pereira da Silva, em seminário organizado pelo Banco JP Morgan na Cidade do Panamá, no Panamá.

Awazu mostrou que o País cresceu 0,5% no segundo trimestre de 2012 em relação ao mesmo período de 2011, 0,9% no terceiro e 1,4% no quarto.

A exposição do diretor de Assuntos Internacionais e de Regulação do Sistema Financeiro do BC trouxe ainda previsões de mercado (relatório Focus) que apontam a continuidade dessa recuperação, com expansão prevista de 2,5%, 3,0%, 3,3% e 3,4%, respectivamente, nos quatro trimestres de 2013, na mesma comparação.

No documento, Awazu expôs ainda que a previsão de crescimento do mercado para o País em 2013, de 3,3%, está acima da média mundial (2,4%), segundo pesquisa internacional.

Ele destacou ainda que o Brasil tem sólidos fundamentos macroeconômicos e fiscais. Na divulgação, foi salientada ainda a expectativa de recorde na safra de grãos neste ano.

Sobre a inflação, o diretor de Assuntos Internacionais e de Regulação do Sistema Financeiro destacou que as previsões do Focus mostram que a expectativa é de alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado em 12 meses em março, rompendo o teto da meta, conforme gráfico que constou na apresentação.

Depois disso, conforme o gráfico, haveria um período de leve queda e, a seguir, de estabilidade. O IPCA voltaria a subir posteriormente, quando alcançaria o pico do ano, para depois seguir em queda por praticamente todo o segundo semestre.

Awazu citou ainda na apresentação reformas anunciadas recentemente, como mudanças tributárias, redução da conta de luz e outras medidas para estimular o investimento e a competitividade, que podem acelerar o ritmo de crescimento do País.

Últimas Notícias

Ver mais
Inovação financeira cria demanda por profissionais brasileiros na Finlândia
Future of Money

Inovação financeira cria demanda por profissionais brasileiros na Finlândia

Há um dia

Campos Neto reforça que BC intervém no câmbio somente para corrigir mau funcionamento
Economia

Campos Neto reforça que BC intervém no câmbio somente para corrigir mau funcionamento

Há 2 dias

Campos Neto sinaliza corte de 0,25 pp em maio e abre porta para alta de juros, dizem investidores
Economia

Campos Neto sinaliza corte de 0,25 pp em maio e abre porta para alta de juros, dizem investidores

Há 3 dias

Os recados de Campos Neto: aumento de incertezas e o risco de fim do ciclo de queda de juros
Economia

Os recados de Campos Neto: aumento de incertezas e o risco de fim do ciclo de queda de juros

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais