Economia

Câmara aprova taxa de juros legal para contratos de empréstimo sem correção definida

Quando um contrato não indicar o índice de juros, o valor será corrigido pela taxa Selic anual, menos o IPCA

Plenário Câmara dos Deputados, em Brasília (DF) (Pablo Valadares / Câmara dos Deputados/Flickr)

Plenário Câmara dos Deputados, em Brasília (DF) (Pablo Valadares / Câmara dos Deputados/Flickr)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 4 de junho de 2024 às 20h49.

A Câmara aprovou, nesta terça-feira, um Projeto de Lei que uniformiza a aplicação de juros e correção monetária nos contratos de dívidas, quando a taxa não for previamente convencionada entre as partes.

Com a lei, fica estabelecido que quando um contrato não indicar o índice de juros, incidirá um cálculo feito pela subtração do IPCA sobre a taxa Selic anual. Como a matéria já passou pelo Senado, ela segue agora para sanção presidencial.

"O texto da Câmara dos Deputados fixa como juros moratórios a menor taxa, considerados os juros reais da taxa Selic, descontada a atualização monetária pelo IPCA", diz um trecho do relatório feito pelo deputado Pedro Paulo (PSD-RJ).

O conteúdo final, aprovado na Câmara, porém, excluiu um artigo que foi interpretado como um "jabuti" - quando uma parte parte do texto não tem relação direta com a matéria em questão.

O artigo em questão dispensava a incidência de juros de mora em casos de ruptura de contratos trabalhistas, quando as tratativas estivessem na fase pré-judicial. Ou seja: entre a data do descumprimento do contrato e o ajuizamento da reclamação trabalhista.

Pedro Paulo comemorou o resultado da votação.

— A lei cria a taxa de juros legal cria e só vale para contratos que não foram pré-acordados. É fundamental que a incidência de juros tenha uma regulamentação, com limites estipulados por lei. Quanto aos contratos trabalhistas, a incidência de juros seguirá computada desde o momento do destrato contratual — disse.

Acompanhe tudo sobre:Câmara dos DeputadosGoverno LulaImpostos

Mais de Economia

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Opinião: Hidrogênio para a Neoindustrialização

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Mais na Exame