Economia

Caixa assina acordo com AFD em captações para energia, saneamento e mitigação de emissões

Acordo envolve também cooperação técnica, com apoio e subsídios para a estruturação de projetos de financiamento sustentável

Caixa: banco fará investimentos em alguns setores econômicos (SOPA Images/Getty Images)

Caixa: banco fará investimentos em alguns setores econômicos (SOPA Images/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 4 de abril de 2024 às 16h01.

Última atualização em 4 de abril de 2024 às 16h45.

A Caixa Econômica Federal assinou um memorando de entendimentos com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) para a implantação de políticas de desenvolvimento sustentável no Brasil. O documento envolve cooperação financeira para investimentos em alguns setores econômicos.

De acordo com a Caixa, a cooperação inclui a estruturação de uma captação de recursos que serão destinados a investimentos em energia, saneamento, transporte, bioeconomia, resíduos sólidos e também na mitigação de emissões de gases de efeito estufa e adaptação às mudanças climáticas.

O acordo também inclui cooperação técnica, com apoio e subsídios para a estruturação de projetos de financiamento sustentável. A AFD vai apoiar a participação da Caixa em foros internacionais.

"A Caixa e a AFD, reconhecendo seu papel crucial no sistema financeiro como instituições de financiamento público, decidiram recentemente definir um quadro de cooperação para apoiar a transformação da economia brasileira em direção ao desenvolvimento sustentável e resiliente", diz em nota o vice-presidente de Sustentabilidade e Cidadania Digital do banco Paulo Rodrigo de Lemos Lopes.

Acompanhe tudo sobre:Caixainfra-cidadãSaneamento

Mais de Economia

Petrobras: Magda Chambriard afirma que vai continuar a 'abrasileirar' preços

Cigarro vai ficar mais caro? Governo avalia elevar preço mínimo para compensar desoneração

Às vésperas de votação do Mover, inclusão ou não de taxação de compras de até US$ 50 está indefinida

Brasil tem potencial para receber US$ 3 trilhões em investimentos verdes, diz estudo do BCG

Mais na Exame