Brasil e Argentina fecham acordo para cortar tarifa do Mercosul em 10%

O entendimento deverá ser repassado aos demais membros do Mercosul: Paraguai e Uruguai. A TEC funciona como um imposto de importação uniformizado entre os membros do Mercosul
Medida foi anunciada por chanceleres dos dois países. (Mercosul/Divulgação)
Medida foi anunciada por chanceleres dos dois países. (Mercosul/Divulgação)
A
AFPPublicado em 08/10/2021 às 19:36.

Brasil e Argentina anunciaram nesta sexta-feira (8) um acordo para reduzir em 10% a tarifa externa comum do Mercosul "em um universo muito amplo de produtos", numa guinada após meses de tensões sobre a reforma do bloco.

"O acordo de tarifa externa comum do Mercosul, que será agora levado aos sócios - tão importantes quanto Brasil e Argentina - Paraguai e Uruguai, permitirá a diminuição de 10% de um universo muito amplo de produtos", anunciou o chanceler brasileiro, Carlos França, após receber, em Brasília, o colega argentino, Santiago Cafiero.

Cafiero ressaltou a importância deste tema vital para a flexibilização do bloco e disse que alguns setores "sensíveis" estão excluídos, como as indústrias têxtil e automotiva.

Os ministros não detalharam em seu comunicado quantos produtos esta redução abrange, mas uma fonte do Itamaraty explicou que inclui 75% do "universo tarifário".

O chanceler brasileiro disse, ainda, que o acordo, que será apresentado ao Uruguai e ao Paraguai, dá "liberdade para que os países possam, inclusive, ir além desse universo tarifário para a baixa tarifaria".

A Argentina era tradicionalmente relutante em modificar a redução da tarifa, contrariando o proposto por Brasil e Uruguai, enquanto o Paraguai se mostrou aberto ao diálogo.

A imprensa brasileira interpretou este acordo como uma derrota para o ministro da Economia, o liberal Paulo Guedes, que defendeu primeiro uma redução de 50% e depois de 20% em duas partes.

A redução da elevada tarifa externa comum a importações de países terceiros, que atualmente é de 13% a 14%, em média, tem sido um dos temas mais espinhosos do bloco nos últimos anos.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso.