Acompanhe:

Brasil crescerá menos que a média sul-americana, diz FMI

Fundo manteve a projeção de expansão de apenas 0,2 por cento para o PIB brasileiro neste ano e melhorou a expectativa de 2018 para 1,7 por cento

Modo escuro

Continua após a publicidade
Na América do Sul, o PIB do Brasil só ganha da Venezuela e do Equador, que deverão ver suas economias encolhendo 7,4 e 1,6 por cento neste ano, respectivamente (Adriano Machado/Bloomberg)

Na América do Sul, o PIB do Brasil só ganha da Venezuela e do Equador, que deverão ver suas economias encolhendo 7,4 e 1,6 por cento neste ano, respectivamente (Adriano Machado/Bloomberg)

R
Reuters

Publicado em 18 de abril de 2017 às, 10h23.

São Paulo - O Brasil crescerá menos do que a média dos países da América do Sul em 2017 e em 2018, com desempenho apenas melhor do que a Venezuela e o Equador, países que vêm sofrendo fortemente com a queda nos preços do petróleo.

O cálculo é do Fundo Monetário Internacional (FMI), que manteve a projeção de expansão de apenas 0,2 por cento para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano, depois de dois anos seguidos de recessão, e melhorou a expectativa de 2018 para 1,7 por cento, ante 1,5 por cento previstos em janeiro.

No período, a América do Sul deve crescer 0,6 e 1,8 por cento, respectivamente, mostrou o FMI nesta terça-feira ao divulgar seu relatório "Perspectiva Econômica Global".

Na região, o Brasil só ganha da Venezuela e do Equador, que deverão ver suas economias encolhendo 7,4 e 1,6 por cento neste ano, respectivamente. O melhor desempenho deve vir da Bolívia, com crescimento de 4 por cento em 2017.

Quando se olha para a América Latina toda, o crescimento médio calculado pelo FMI deve ser de 1,1 e 2 por cento em 2017 e 2018, com destaque para o México, cujo PIB deve ter expansão de 1,7 e 2 por cento, respectivamente.

"No Brasil, o ritmo de contração diminuiu, mas o investimento e a produção ainda estavam começando a sair do fundo do poço no fim de 2016", informou o FMI no relatório.

O crescimento do Brasil em 2017 também será inferior ao das economias emergentes, cuja alta esperada é de 4,5 por cento.

Ao esperar recuperação gradual para a economia brasileira neste e no próximo ano, o FMI considera fundamental a realização de "ambiciosas" reformas econômicas e fiscal.

"Para reforçar a consolidação fiscal no médio prazo, as reformas deveriam incidir sobre as despesas insustentáveis, incluindo o sistema de seguridade social, mas também devem ser adotadas medidas para conseguir redução mais direta do déficit orçamentário", informou o FMI no relatório.

O FMI também destacou a necessidade de reformas que possam impulsionar o crescimento potencial do Brasil e que poderiam melhorar a qualidade de vida da população, após a longa recessão enfrentada pelo país.

A estimativa do FMI para o PIB brasileiro é mais pessimista do que a apurada pelo relatório Focus do Banco Central, que ouve semanalmente uma centena de economistas e indica avanço de 0,4 por cento em 2017 e de 2,5 por cento para 2018.

Para a economia global, o FMI estima crescimento de 3,5 por cento em 2017 e de 3,6 por cento no ano que vem.

Últimas Notícias

Ver mais
Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos
Economia

Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos

Há 9 horas

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad
Economia

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad

Há 11 horas

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE
Economia

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE

Há 11 horas

Brasil sobe duas posições e fecha 2023 como a 9ª economia do mundo; veja lista completa
Economia

Brasil sobe duas posições e fecha 2023 como a 9ª economia do mundo; veja lista completa

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais