Economia

Boletim Focus: mercado eleva novamente projeções do IPCA de 2024 e 2025

A projeção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2024 subiu pela oitava semana consecutiva, de 3,98% para 4%

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 1 de julho de 2024 às 08h32.

Última atualização em 1 de julho de 2024 às 09h04.

Tudo sobreBoletim Focus
Saiba mais

Os analistas de mercado consultados pelo Banco Central (BC) no Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, 1, elevaram a projeção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2024 pela oitava semana consecutiva, de 3,98% para 4%.

A expectativa para a inflação em 2025 também subiu, de 3,85% para 3,87%. O índice é a principal referência para medir a inflação brasileira.

IPCA

A projeção do IPCA de 2024 subiu de 3,98% para 4% pela oitava semana consecutiva. Um mês antes, a mediana era de 3,88%. Considerando as 74 estimativas atualizadas nos últimos cinco dias úteis, a mediana para 2024 passou para 4,02%.

Para 2025, que também está no foco da política monetária, a projeção subiu de 3,85% para 3,87%. Um mês antes, a mediana era de 3,77%. A projeção para 2026 se manteve estável em 3,60%. A expectativa para 2027 permaneceu a mesma dos últimos 52ª boletins.

PIB

A projeção para o PIB de 2024 se manteve em 2,09% após alta no último boletim. Um mês antes, a projeção era de 2,05%. A projeção para 2025 foi reduzida de 2% para 1,98% após 28ª semana seguida, assim como a de 2026 se manteve em 2% pela 47ªsemana.

Selic

A projeção para a Selic de 2024 se manteve em 10,50%. A expectativa para taxa de juros em 2025 também se manteve em 9,50%. Já em 2026, a Selic aparece em 9% pela sétima semana.

Câmbio

Os economistas do mercado financeiro elevaram as expectativas para o dólar para 2025 de US$ 5,15 para US$ 5,20, terceira alta consecutiva. As projeções do câmbio para 2025, 2026 e 2027 também subiram.

Acompanhe tudo sobre:Boletim FocusIPCA

Mais de Economia

Lula diz que a fome 'existe por decisão política' e quer tirar o Brasil do Mapa da fome até 2026

Taxação global de 2% sobre super-ricos arrecadaria de US$ 200 a US$ 250 bi por ano, diz Haddad

‘Problema dos gastos no Brasil não é ter os pobres no Orçamento’, diz Simone Tebet

Plano Real, 30 anos: Gustavo Loyola e as reformas necessárias para o Brasil crescer

Mais na Exame