Acompanhe:

BID diz ter US$ 430 milhões para investir na Amazônia em forma de doações

Presidente do banco, Ilan Goldfajn, afirma que verba não reembolsável compõe novo programa para desenvolvimento da região e se soma a recursos de empréstimo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Número foi mencionado durante uma conversa de mesa redonda com a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (RAUL ARBOLEDA/Getty Images)

Número foi mencionado durante uma conversa de mesa redonda com a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (RAUL ARBOLEDA/Getty Images)

O presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Ilan Goldfajn, afirmou nesta quinta-feira que a instituição possui um volume de US$ 430 milhões em recursos para investir em projetos de desenvolvimento da Amazônia na forma de grants, verbas que não precisam ser reembolsadas.

O número foi mencionado durante uma conversa de mesa redonda com a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, realizado nesta quinta feira na Fundação FHC, em São Paulo.

— Temos 430 milhões de recursos — disse o economista, quando falava sobre o programa Amazônia Sempre, articulado pelo BID para impulsionar o desenvolvimento sustentável na região, acrescentando.— Quem está acostumado a ouvir bilhões fica estranhando o número em milhões, mas há uma diferença entre milhões, que são de grants, e bilhões, que são os recursos de empréstimo.

O presidente do BID se reúne na manhã desta sexta com a ministra do planejamento, Simone Tebet, e recursos para infraestrutura na Amazônia estão na pauta do encontro.

Goldfajn reconhece que recurso anunciado ainda é modesto perto do que precisa ser investido na região para resolver problemas como o do desmatamento, mas afirma que ele deve crescer a medida que mais fundos aportem o modelo de financiamento previsto no projeto, que terá mais rigor ambiental na escolha de projetos agraciados.

— O dinheiro de grants, que são doações, é em milhões, o de empréstimos é em milhões, e as necessidades são em trilhões — afirmou.

Goldfajn manifestou intenção de que o BID ajude a bancar projetos no contexto do Plano de Ação e Prevenção de Controle do Desmatamento da Amazônia (PPCDAm), anunciado por Marina e Lula neste mês.

— Eu sei que o PPCDAm tem quatro eixos. Um dos eixos é o de atividades econômicas e outro tem a ver com instrumentos normativos e econômicos. Nós estamos pensando obviamente nas atividades econômicas e estamos pensando em instrumentos financeiros que possam ajudar — disse o economista.

O programa foi lançado ainda sem um detalhamento intenso de orçamento, e deve operar inicialmente principalmente com recursos do Fundo Amazônia, que não tem relação com o BID. O MMA prevê um esforço grande nos primeiros anos focado no eixo de "comando e controle", que trata essencialmente de fiscalização.

Em seu site, o BID lista hoje US$ 1,1 bilhão empregados em 107 projetos financiados atualmente para desenvolvimento da região amazônica, em todos os países que abrigam a floresta. Praticamente todo o montante é em operações de empréstimo (88%) e quase todos no Brasil (84%).

Os recursos são aplicados em praticamente todos os setores socioeconômicos, com os maiores quinhões nas categorias de meio ambiente/desastres naturais (31%), educação (21%) e reforma/modernização do estado (20%). Entre os doadores envolvidos hoje estão os governos de Alemanha, Holanda, Suíça, Reino Unido, Espanha e Israel, além do Fundo Verde do Clima (GCF).

Amazônia Sempre

Marina destacou a nova iniciativa do banco para a região a importância em enfocar investimentos que estejam de acordo com princípios ambientais, mesmo que sejam voltados a outras áreas. Goldfajn afirma que o nome "Amazônia Sempre" para o programa do BID foi uma sugestão da ministra numa conversa no Fórum Econômico de Davos, e ela justificou a escolha.

— Eu pensei que seria uma forma de fisgar as ações com o 'Amazônia Sempre'. Se vai financiar indústria, qual é a indústria que permite que a Amazônia exista para sempre? Qual é a pecuária e a agricultura que fazem com que a Amazônia exista para sempre? Qual é o turismo e a infraestrutura? — disse Marina.

A ministra afirmou que, para que os investimentos vinguem na região, é preciso ter segurança jurídica também, e defendeu que isso se atinge com o fortalecimento do Ibama e das instituições de fiscalização. Marina defendeu o aperto da fiscalização como elemento importante para que os investimentos em desenvolvimento sustentáveis tragam retorno, porque a competição com atividades ilegais compromete a economia local.

— É muito difícil concorrer com os ilegais — disse. — Eu pude verificar pessoas bem intencionadas e competentes em fazer manejo florestal (para madeira sustentável) na Amazônia. Elas adquiriram áreas, buscaram conhecimento técnico, fizeram tudo muito bonitinho e de repente ela viram seus investimentos concorrendo com quem estava tirando madeira ilegal de dentro das terras indígenas, unidades de conservação dentro e terras públicas, sem gerar tecnologia, sem inovação, sem pagar encargos trabalhistas, sem absolutamente nada

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Eventuais alterações na desoneração da folha serão feitas por projeto de lei, diz Pacheco
Economia

Eventuais alterações na desoneração da folha serão feitas por projeto de lei, diz Pacheco

Há 15 horas

Governo quer antecipar R$ 26 bi de aportes da privatização da Eletrobras para reduzir conta de luz
Economia

Governo quer antecipar R$ 26 bi de aportes da privatização da Eletrobras para reduzir conta de luz

Há 16 horas

Setores se unem em manifesto contra a reoneração da folha de pagamentos
Economia

Setores se unem em manifesto contra a reoneração da folha de pagamentos

Há 17 horas

Dirigente do BoE destaca inflação de serviços, mas fala em espaço para normalizar juros
Economia

Dirigente do BoE destaca inflação de serviços, mas fala em espaço para normalizar juros

Há 19 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais