Ciência

Vídeo em câmera lenta mostra como um espirro pode espalhar a covid-19

Ao espirrar ou até mesmo falar sem máscara, um infectado pela covid-19 pode expelir gotículas de saliva que conseguem viajar por mais de 2 metros

Saliva: gotículas de infectados podem viajar por até 8 metros de distância (CSA Images/Getty Images)

Saliva: gotículas de infectados podem viajar por até 8 metros de distância (CSA Images/Getty Images)

Tamires Vitorio

Tamires Vitorio

Publicado em 23 de outubro de 2020 às 19h39.

Última atualização em 29 de outubro de 2020 às 16h33.

Se você tinha dúvidas sobre quanto um espirro pode espalhar o novo coronavírus, um vídeo em câmera lenta publicado no YouTube pode te ajudar a entender melhor. Quer entender a evolução da pandemia e o cenário de reabertura no país? Acesse a EXAME Research.

Ao espirrar ou até mesmo falar sem máscara, um infectado pela covid-19 pode expelir gotículas de saliva que conseguem viajar por mais de 2 metros e se espalharem por até 8 metros de distância — o que pode significar uma necessidade de aumentar ou reduzir o distanciamento social conforme necessário.

É o que acontece no vídeo. Mesmo quando o rapaz está apenas conversando, diversas gotículas são expelidas, diminuindo apenas com o uso de máscaras, o que faz com que elas se tornem imperceptíveis — e serve para ilustrar quão eficazes elas podem ser.

Uma pesquisa publicada no jornal científico The Lancet, mostrou que a cada metro de distância que uma pessoa fica de outra infectada, o risco de disseminação do SARS-CoV-2 cai. O estudo em questão também mostrou que máscaras e proteções para os olhos reduzem os riscos de disseminação do vírus — as máscaras diminuem o risco de 17% para apenas 3%, e a proteção para os olhos mostrou uma redução de 16% para 6%.

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:CoronavírusDoençasMortesPandemiaVídeos

Mais de Ciência

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Componente de protetores solarares encontrado em alimentos gera preocupação nos EUA

Nova promessa de tratamento para Alzheimer avança nos EUA. Como o medicamento funciona?

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Mais na Exame