Rival do Ozempic: Altimmune revela que seu injetável pode emagrecer e manter músculo

Ensaino clínico de Fase II indicou que pacientes perderam 75% de gordura e apenas 25% de músculo

Caneta injetável: "remédios emagrecedores" vêm surgindo com aprimoramentos (imyskin/Getty Images)
Caneta injetável: "remédios emagrecedores" vêm surgindo com aprimoramentos (imyskin/Getty Images)
Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 30 de março de 2024 às 15h17.

A empresa de biotecnologia americana Altimmune revelou resultados notáveis em seu ensaio clínico de Fase II para um novo injetável semanal, pemvidutida.

Segundo a empresa, os pacientes experimentaram uma perda de aproximadamente 75% de gordura e apenas 25% de músculo, um feito significativo em comparação com medicamentos existentes como Ozempic e Wegovy, que muitas vezes resultam em perdas musculares mais substanciais.

Diferencial

Ao contrário de outros medicamentos para perda de peso, onde a perda de massa muscular pode ser uma preocupação, a Altimmune sugere que a pemvidutida pode simular os benefícios do exercício sem a necessidade de atividade física intensa.

O medicamento, semelhante à tirzepatida, combina um medicamento GLP-1 com glucagon em uma única dose, visando não apenas suprimir o apetite, mas também imitar os efeitos positivos do levantamento de peso.

O efeito Ozempic: 2024 será o ano dos remédios para emagrecimento

A luta da Novo Nordisk contra falsificações de Ozempic

"Estamos vendo um crescente reconhecimento de que a qualidade da perda de peso é tão crucial quanto a quantidade", afirmou Scott Harris, diretor médico da Altimmune. "Acreditamos que, se aprovada, a pemvidutida pode emergir como uma opção altamente atrativa para perda e manutenção de peso".

Órgão regulador dos EUA, a Food and Drug Administration (FDA) anunciou no ano passado que iria acelerar a sua avaliação da pemvidutida para o tratamento da doença hepática gordurosa não alcoólica (NASH).

Detalhes do ensaio

Segundo o estudo, 74,5% da perda de peso entre 391 participantes veio do tecido adiposo, enquanto apenas 25,5% veio da massa magra, resultados que são comparáveis aos efeitos “historicamente associados à dieta e ao exercício”, escreveu a farmacêutica.

O medicamento pemvidutida combina o hormônio GLP-1 – um ingrediente-chave do Ozempic e do Wegovy – com o hormônio glucagon, uma combinação que a empresa também está testando para tratar uma forma comum de doença hepática chamada esteatohepatite associada à disfunção metabólica, ou MASH.

Em novembro, a empresa anunciou que mais de 30% dos participantes que usaram uma dose de 2,4 miligramas de pemvidutida alcançaram uma perda de peso de 20% em 48 semanas.

Competição

Enquanto a Altimmune lidera o caminho com a pemvidutida, outras empresas farmacêuticas também estão abordando preocupações sobre perda muscular.

Em julho, a Eli Lilly adquiriu a Versanis, uma empresa biofarmacêutica, por US$ 1,9 bilhão, com foco no desenvolvimento de bimagrumabe, um anticorpo monoclonal que visa preservar a massa muscular durante a perda de peso.

O mesmo anticorpo está sendo testado em conjunto com semaglutida em ensaios clínicos conduzidos pela Eli Lilly.

Acompanhe tudo sobre:OzempicRemédios

Mais de Ciência

Cobertura vacinal contra gripe atinge apenas 21% no Brasil; municípios intensificam campanhas

Nova espécie de dinossauro que viveu na Bahia é identificada

Mais na Exame